Emerson será o substituto de
Fernando Miguel amanhã, contra
o Vasco, em Florianópolis.

O Paraná Clube quer transformar o Orlando Scarpelli em sua casa, pelo menos neste fim de semana. Mesmo sabendo da boa aceitação dos clubes cariocas em Florianópolis, acredita na presença de um bom número de torcedores paranistas. Além dos objetivos traçados pela comissão técnica – confirmar pelo menos o 10.º lugar – há aspectos financeiros que não podem ser descartados nesta reta final do Brasileirão. A diretoria quer evitar um prejuízo maior (no total, o clube já perdeu três mandos de campo) com uma boa arrecadação em Santa Catarina.

“Já trabalhamos com extremas dificuldades jogando em Curitiba, onde a nossa média não é compatível com a campanha realizada”, lembra o presidente Ênio Ribeiro. No último jogo “em casa”, o Paraná levou pouco mais de 4 mil pagantes ao Couto Pereira. Goleou o Inter (4×0), mas da renda bruta – R$ 48.690,00 – sobrou para o clube menos de R$ 500,00. Este baixo rendimento nas bilheterias pode se tornar um fator contrário às pretensões do Tricolor de ingressar no Clube dos 13 a partir da próxima temporada. “Hoje, nossos argumentos são apenas técnicos”, reconhece Ribeiro.

Para este jogo contra o Vasco, foram colocados à venda 12.800 ingressos. A venda antecipada teve início na quinta-feira em vários pontos da capital catarinense. A venda prossegue hoje nos seguintes locais: Loja Futebol Mania e Só Esportes (no Centro), Mercearia do Ori, (no Abraão), Loja Pró-Sports (na Trindade), Ponto dos Esportes (em Biguaçu), loja Pieri Sports (Shopping Itaguaçu) e bilheterias da Rua Humaitá (próximo ao portão 5). Amanhã os ingressos só estarão disponíveis nas bilheterias do estádio Orlando Scarpelli (rua Humaitá e Av. Santa Catarina), a partir das 9h.

Os portões serão abertos às 14h e a torcida paranista terá os seguintes acessos: arquibancada, portões 4 (rua Humaitá), 7 e 10 (Av. Santa Catarina); cadeiras, portão 13 (Av. Santa Catarina). Os torcedores do Vasco só terão acesso à arquibancada, pelos portões 2 (rua Humaitá) e 16 (Av. Santa Catarina). As torcidas do Paraná Clube se mobilizaram nos últimos dias, organizando excursões para Florianópolis. Fúria Independente e Força do Sul estão disponibilizando ônibus para seus simpatizantes e as caravanas seguem para Santa Catarina amanhã cedo. Maiores informações nos telefones 3023 4777 (Fúria) e 372 2877 (Força). (IC)

Invencibilidade embala o Paraná Clube

A manutenção da invencibilidade (agora de cinco jogos) deu novo fôlego ao Paraná Clube, que agora parte em busca de uma vitória frente ao Vasco da Gama, amanhã, em Florianópolis. É o segundo de uma maratona de cinco jogos fora de Curitiba. O início da turnê foi animador. O empate em Minas Gerais, frente ao Atlético Mineiro, manteve o Tricolor na 10.ª colocação e com pequena vantagem sobre Goiás, Corinthians e Vitória, seus concorrentes diretos na disputa por uma vaga à Copa Sul-Americana.

Mesmo tendo cedido à pressão do Galo, no final do jogo, o Paraná mostrou iniciativa e volume ofensivo. O comportamento, na média, foi similar àquele desenvolvido em casa. Isso aumentou a confiança do grupo para a seqüência contra Vasco, Grêmio, Figueirense e Criciúma. De quebra, o Tricolor voltou a fazer gols e a criar várias oportunidades. Renaldo chegou à marca de 22 gols, isolando-se na terceira colocação na lista dos artilheiros.

“Devagarzinho, vou chegando. Se derem mole, faturo outra vez”, disparou o jogador. Renaldo já foi artilheiro do campeonato brasileiro em 1996 (no Atlético Mineiro), com 16 gols, ao lado de Paulo Nunes (Grêmio). Ele segue como o principal goleador do futebol paranaense neste Brasileirão, agora com cinco gols de vantagem sobre Marcel, do Coritiba. Faltando oito rodadas, Renaldo precisa tirar uma diferença de três gols para Luís Fabiano (São Paulo) e dois para Dimba (Goiás).

No jogo de amanhã, o centroavante não terá a companhia de Marquinhos. O meia cumpre suspensão pelo terceiro cartão amarelo, assim como o volante Fernando Miguel. O técnico Saulo de Freitas não confirmou, mas pode escalar Émerson e Maurílio, evitando mudanças mais profundas no posicionamento da equipe. Se jogar mais atrás, Maurílio dividirá com Fernandinho a articulação da equipe e a criação das jogadas para Caio e Renaldo. Saulo já antecipou que não vai abdicar de um esquema ofensivo, priorizando a qualidade dos atacantes.