Valquir Aureliano
Caio Jr. pede que o time mantenha
a mesma filosofia e ritmo
das rodadas que antecederam
o recesso da Copa.

Depois de um recesso de cinco semanas, o Paraná Clube faz hoje o último coletivo antes do reinício do Brasileirão. Um treino importante não apenas para o jogo de quinta-feira – em Volta Redonda, no Rio de Janeiro, às 20h30 -, frente ao Flamengo. Afinal, no domingo (às 18h30, no Estádio Pinheirão, no Tarumã) o Tricolor recebe o Atlético, no primeiro clássico paranaense da competição. Serão dois jogos em apenas quatro dias. Uma prova de fogo logo na largada de uma nova etapa.

O treinador Caio Júnior acredita que o grupo já recuperou o foco na competição. ?Com esse objetivo, fizemos aquele amistoso em Campo Mourão. Foi para que os atletas entrassem no clima, outra vez?, disse o treinador. Mesmo elogiando o desempenho tático do seu time no último teste de campo, Caio Jr. reconhece que erros cometidos diante da Adap não podem se repetir frente ao Flamengo. Principalmente nas assistências.

?Tivemos vários contragolpes, mas pecamos no passe final?, reconheceu Gérson. O Paraná encara o Flamengo tentando repetir o que fez nas últimas partidas do Brasileiro. Depois de oscilações nas rodadas iniciais, o Tricolor completou uma série invicta de cinco jogos (com dois empates e três vitórias). ?Agora, é uma nova competição?, admite Caio, que acompanhou à distância toda a preparação do adversário.

?Sei que eles fizeram uma série de amistosos, sempre contra equipes menores e com a mesma estrutura tática. Mas, não pudemos ver – nem pela tevê – tenhum desses jogos?, analisou Caio Jr. Se o Flamengo adota o tradicional 4-4-2, o Paraná segue com a mesma filosofia tática da etapa anterior: um 3-6-1, com variações. ?Não achei prudente mexer no posicionamento da nossa defesa. O Paraná vem jogando há tempos com três zagueiros?, lembrou o técnico.

Diante da ausência do líbero Émerson – que está na fase final de recuperação de cirurgia no tornozelo e quinta-feira cumpre suspensão pelo terceiro cartão amarelo -, o Tricolor terá Neguete como zagueiro da sobra. O setor conta ainda com Gustavo e Edmilson, que volta ao time recuperado da lesão muscular que sofreu há dois meses. ?Pela qualidade de nossos zagueiros e característica dos nossos alas, acho que este esquema tático é o ideal. Pelo menos para o momento?, finalizou Caio Jr.

Tricolor prepara Pierre só pro clássico

A estréia do volante Pierre – em sua terceira passagem pelo clube – foi adiada. Como não treinou com o grupo durante a última semana, por conta de uma entorse de tornozelo, o jogador foi vetado para o jogo no Rio de Janeiro, frente ao Flamengo. O trabalho da comissão técnica é prepará-lo para o clássico de domingo. ?Seria precipitado jogar sem praticamente não ter treinado com bola?, admitiu o jogador.

Pierre – um dos reforços da equipe para a seqüência da temporada – sofreu a lesão no jogo-treino frente ao J. Malucelli, há dez dias. ?No momento, o susto foi grande. Achei que a lesão tinha sido mais séria?, disse. O volante está trabalhando a parte física e até amanhã deve estar novamente treinando com bola. ?Quero estrear o quanto antes. Mas, sem atropelar as coisas. O importante é estar bem para ajudar o time?, afirmou.

Com a ausência do volante, o Paraná Clube terá na quinta-feira o mesmo time que iniciou o amistoso frente à Adap. Com Gérson no meio-de-campo. ?Estou animado com essa oportunidade. O grupo, aqui, é muito bom. Não há reservas ou titulares e sim um elenco, remando para o mesmo lado?, disse Gérson. O meia vai dividir com Sandro a função de articular o meio-de-campo e fazer a ligação com o centroavante Leonardo.

?Nossos jogadores de criação e ataque estão muito bem entrosados. Como todos têm características parecidas, fica fácil jogar?, comentou Gérson. A outra opção, Maicosuel, fica no banco de reservas. O meia – titular absoluto do time na fase pré-Copa do Mundo – já está recuperado de uma tendinite no joelho direito. Mas, só agora está recuperando o condicionamento físico. ?Ele será uma peça importante para o segundo tempo?, disse Caio. Como Maicosuel não tem condições ideais para 90 minutos, o treinador não quer ?queimar todos os cartuchos? no início do jogo.