parana230105.jpg

André Chu começa jogando
na meia-cancha tricolor.

O torcedor paranista está apreensivo. Afinal, já são três anos consecutivos com derrota na estréia do campeonato paranaense. Nas edições anteriores, o Paraná Clube esteve a pique de ser rebaixado. Por mais que a competição esteja só começando, "velhos filmes" não saem da cabeça da galera. Para exorcizar esse astral, o time busca hoje – às 16h, no João Cavalcanti de Menezes – uma vitória diante de um dos caçulas do estadual.

Jogadores e comissão técnica reconhecem que o time "não jogou nada" frente ao Roma. Por mais que o nível técnico não se compare ao do brasileiro, o perfil do campeonato é outro. "Vale a disposição, a aplicação. E, no primeiro jogo, não nos aplicamos o suficiente", ressaltou o experiente Émerson. O zagueiro sabe que nesta primeira partida fora de casa, o sistema defensivo será ainda mais exigido. "A atenção deve ser redobrada", frisou.

O técnico Paulo Campos assegurou – no momento em que renovou seu contrato com o clube – que o Paraná não correrá risco de rebaixamento. Mantém a palavra, independente da frustrante estréia. "A meta não muda. Vamos em busca da vaga à semifinal. Até lá o time estará ajustado", disse o treinador. Campos decidiu minimizar improvisações e confirmou duas novidades: Vágner e André Chu.

Há tempos, o Paraná convive com dificuldades na lateral-direita. Jogadores vêm e vão em freqüência intensa, impedindo a continuidade do trabalho. Foi assim com Valentim (2003) e Etto (2004). A diretoria trouxe jogadores desconhecidos, na expectativa de obter resultados positivos nessa garimpagem. Vágner – que por duas temporadas esteve no Fênix (Uruguai) saiu na frente na disputa com Thoni (ex-Londrina) e faz hoje sua primeira partida com a camisa tricolor. "O objetivo é buscar o entrosamento o quanto antes", afirma Vágner.

Além dessa mudança, Paulo Campos confirma ainda a entrada de André Chu no setor de criação. Tenta encontrar uma nova formação para o ataque paranista, que perdeu seu quarteto titular após o Brasileirão. Chu – indicado pelo treinador – sabe que precisará de um tempo para o melhor entrosamento e prevê uma evolução gradativa. "Com os jogos em seqüência, sobra pouco tempo para treinar. Então, o jeito é buscar o ajuste nos jogos mesmo", disse André Chu.

Com as trocas – Goiano e Sinval saíram do time – apenas uma improvisação foi mantida. Edinho será, mais uma vez, o meia-esquerda do Tricolor. Ala de origem, ele terá a função de movimentar o lado esquerdo da equipe, alimentando a dupla de ataque, formada por Wellington Paulista e Maranhão.

– O Engenheiro Beltrão também busca a reabilitação no campeonato. O time, estreante na primeira divisão, foi derrotado por 2×1 pelo Coritiba, na rodada inicial da competição. O técnico Zé Humberto, que gostou da atuação da equipe e chegou a dizer que o resultado foi injusto, não fará muitas modificações. A única dúvida está no ataque: o experiente Toti pode ganhar a vaga de Safira. Contra o Coxa, o atacante entrou no segundo tempo e deu muito trabalho à zaga do Alviverde – sendo inclusive bastante elogiado pelo técnico Antônio Lopes.

CAMPEONATO PARANAENSE

1.ª FASE – 2.ª RODADA

ENGENHEIRO BELTRÃO X PARANÁ

ENGENHEIRO BELTRÃO

Junior; Agnaldo, Marcelo do Ó e Ânderson; Rener, Rosemar, Ernandez, Claudinho e Cléber; Safira (Tóti) e Marcelo Sorocaba.

Técnico:Zé Humberto.

PARANÁ

Flávio; Vágner, Fernando Lombardi, Emerson e Vicente; Axel, Beto, André Chu e Edinho; Maranhão e Wellington Paulista.

Técnico: Paulo Campos.

SÚMULA

Local: João Cavalcanti de Menezes (Eng. Beltrão).

Horário: 16h.

Árbitro: Evandro Rogério Roman.

Assistentes: Moacir Pereira Valentini e Aparecido José dos Santos.