Lucimar do Carmo
Fabio Luiz volta e Alexandre
continua no meio-campo tricolor.

O Paraná Clube faz hoje, em Belo Horizonte, um jogo chave para as suas pretensões no Brasileirão-2002. O confronto com o Atlético Mineiro – às 20h30, no Mineirão – é o primeiro dos dois jogos em sequência fora de casa. O Tricolor nem retorna a Curitiba. De Minas Gerais vai direto a São Paulo, onde encara o Corinthians, no domingo. No embarque, otimismo e a certeza de que chegou o momento “da virada”. Até aqui, o time de Otacílio Gonçalves não conquistou um ponto sequer fora de casa, em quatro oportunidades. A “síndrome do pijama” incomoda e os jogadores buscam explicações para o desempenho pífio da equipe na condição de visitante.

Para alguns, o Paraná abusou de entrar em campo de “sangue doce”, acreditando que conquistaria os resultados ao natural. “O campeonato está muito equilibrado e para ter sucesso fora de casa é preciso aumentar a dose de aplicação e concentração no jogo”, disse o experiente Fábio Luís. O zagueiro, esta noite voltará às origens, compondo a lateral-esquerda. Foi a saída encontrada por Otacílio Gonçalves, que confirmou a entrada de Xandão na zaga. As mudanças foram provocadas pelas ausências de Fabinho (suspenso) e Cris (lesionado), os dois laterais-esquerdos do grupo paranista.

Problemas na defesa, tranquilidade no ataque. Maurílio retorna após desfalcar o time nos jogos contra Ponte Preta e Atlético Mineiro, devido à uma lesão muscular. O capitão acredita que o Paraná foi muito confiante para os jogos contra Bahia e Ponte Preta, no embalo dos resultados anteriores. “Havíamos goleado o Palmeiras e o Flamengo. Talvez tenhamos entrado em campo com excesso de confiança e não repetimos a marcação compacta de outros jogos”, ponderou. Maurílio busca inspiração no cinema e recorda o filme “Por Amor”, onde Kevin Costner interpreta um veterano jogador de beisebol, que usa uma técnica para “se isolar em campo”, impedindo que os gritos dos torcedores o atrapalhem, na busca pela atuação perfeita.

“Ali dentro, é muito difícil, mas precisamos ter este tipo de atitude, pois já provamos nossa qualidade com resultados expressivos”, disse o atacante. “A soma de pontos fora de casa, nos levará primeiro ao bloco intermediário e depois à uma briga direta por vaga na segunda fase”, acredita Maurílio. Os números comprovam esta teoria. Com um jogo a menos que a maioria dos participantes, o Paraná saltaria para a 14ª colocação com a conquista de mais três pontos. A presença do capitão – além de tranquilidade – garante ao time uma sensível ascensão no aproveitamento em lances de bola parada.

A eficiência de Maurílio, que já fez dois gols de falta no Brasileirão, é reflexo do empenho do jogador. Após os treinos, ele fica ensaiando cobranças de faltas à exaustão e se dá ao direito de bancar o “professor”.

Maurílio passa ensinamentos e algumas “manhas” a outros jogadores, como o companheiro Márcio. “Se ele caprichar, será um bom cobrador de faltas. Mas, é preciso insistir nos treinos”, disse. Com a dupla refeita, o Tricolor terá, na teoria, um bom “poder de fogo” para a batalha contra Hélcio, Nem, Geninho e companhia. Além destas mudanças, Otacílio também deu nova chance a Ronaldo, que substituirá Émerson, suspenso. O time viajou com uma dúvida, que só foi desfeita à noite, após o julgamento de Sidnei. O volante pegou apenas um jogo de suspensão (já cumprido) e está escalado.