O novo técnico do Paraná Clube só será conhecido no início da próxima semana. A ordem é agir com cautela para não errar. O clube não abre mão de algumas diretrizes, em especial no que diz respeito à formação do elenco, já delineado pela diretoria, com a participação do diretor executivo Roque Júnior. Após muita conversa e algumas reuniões, o Tricolor trabalha com duas opções: Rogério Lourenço e Claudinei Oliveira. Coincidência ou não, dois profissionais que possuem um histórico de trabalho na revelação de jovens valores.

Não que essa seja uma característica específica do elenco paranista. Mesmo programando a utilização de vários garotos da base – como Rodrigo Mann, Carlinhos, Júlio César… -, o Tricolor não abre mão da mescla com jogadores de maior bagagem, como Marcos, Édson Sitta e Ricardo Conceição, todos com contratos renovados. Até mesmo os reforços contratados até aqui já são atletas rodados, casos dos zagueiros Júnior Lopes e Naylhor e do atacante Paulo Roberto. O clube já teria engatilhado mais uma série de contratações, independente da definição de seu comando técnico.

Uma característica que já havia sido antecipada pelo presidente Rubens Bohlen. ‘Não iremos encher prateleira a partir da indicação de treinadores. As contratações são feitas a partir do consenso entre comissão técnica, diretoria e o diretor executivo‘, comentou.

Assim, estes acertos já efetivados (por mais que o clube não tenha oficializado nenhum) ocorreram a partir das conversas entre Roque Júnior e Celso Bittencourt, com a participação do empresário Marcos Amaral, parceiro do clube na captação de reforços.

Na questão do comando técnico, Roque Júnior já manteve contato com Rogério Lourenço e Claudinei Oliveira. A última reunião aconteceu ontem, em São Paulo, com a participação do diretor executivo tricolor, de Claudinei e de seu procurador, Wagner Ribeiro. Mais do que questões financeiras – já que haveria uma equiparação entre os dois treinadores – irá pesar o perfil de trabalho. ‘Temos que trazer um técnico adequado às nossas condições de trabalho‘, comentou o vice de futebol Celso Bittencourt, sem descartar ou confirmar nomes.

Contatos feitos, a diretoria paranista deve se reunir neste final de semana para analisar as possibilidades, ‘batendo o martelo‘ na próxima segunda-feira. Claudinei tem a seu favor o fato de ter disputado a última Série A, onde fez um bom trabalho no Santos. Já Lourenço, mesmo tendo ficado um ano e meio fora do País, garante que está atento ao mercado brasileiro e acompanhou atentamente a disputa da Série B. Façam suas apostas.