O Paraná Clube entra em campo, amanhã – às 16h10, no Moisés Lucarelli – para provar que ninguém “jogou a toalha”. Agora jogando também contra a matemática, o Tricolor tenta resgatar sua imagem, abalada pelos recentes fracassos.

O técnico Sérgio Soares admite que mesmo restando apenas 18 rodadas para o encerramento da Série B, o seu time ainda está em formação. Rafinha chegou há pouco e faz, diante da Ponte Preta, apenas seu segundo jogo como titular. Jogadores recém-contratados, pela primeira vez estarão à disposição do treinador.

São os casos do goleiro Zé Carlos e do zagueiro Montoya, novidades no grupo que seguiu ontem à tarde para a cidade de Campinas. “Nesse sentido, ainda estamos em formação. E há ainda alguns detalhes que precisam ser ajustados.

Detalhes que passam pelas peças que dispomos”, comentou Sérgio Soares. “A partir disso poderemos organizar melhor a proposta que nós estamos tentando aplicar”, disse. O próprio treinador não esconde o desejo de contar, em breve, com nova opção ofensiva.

“Qualificar o grupo é sempre importante. Temos alguns jogadores que não estão dando a resposta que esperávamos e o jeito é trazer”, anunciou Soares. Uma questão que já está sendo resolvida pela diretoria. “Não podemos medir esforços. Se faltam peças, temos que buscá-las”, completou o diretor de futebol Paulo Welter.

Uma tomada de posição intimamente ligada aos tropeços contra Fortaleza e Bahia e ao fato dos atacantes tricolores (à exceção de Rafinha, que é meia) não balançarem as redes há um mês. O último “gol de atacante” foi marcado por Alex Afonso, na derrota para o ABC.

Essa marca negativa não é o peso principal na avaliação de Sérgio Soares, que recorda as muitas chances criadas – e desperdiçadas – contra o Bahia. As mais claras delas, nos pés de Rafinha, que vem sendo a principal referência ofensiva do Tricolor desde que chegou ao clube.

Com quatro gols, já igualou a marca de Alex Afonso, como principais goleadores do clube nesta Série B. “Falhei feio contra o Bahia, mas não vai se repetir. Fiquei triste, mas é página virada. O que interessa agora, é a Ponte Preta”, afirmou Rafinha, que seguirá atuando mais à frente, ao lado de Adriano.

Sérgio Soares deixou uma dúvida na formação do meio-de-campo, mas deve escalar uma dupla de volantes diferente no jogo de amanhã. Além de Rai, que ao natural entra na vaga do suspenso Adoniran, Luiz Henrique deve ganhar a vaga de João Paulo.

Titular ao longo de praticamente toda a Série B, João Paulo caiu de produção. Já Luiz Henrique, que chegou a atuar improvisado na ala direita, fez sua melhor partida diante do Bragantino, atuando na sua posição. Na teoria, a mudança visa dar consistência ao setor, que se mostrou frágil nas últimas jornadas.