O desafio imediato do Paraná Clube é “voltar à primeira página” da classificação da Série B. Na linguagem dos atletas, isso significa recuperar vaga no G10 da competição, assegurando uma distância segura da zona do rebaixamento. Com esse novo foco bem definido, o Tricolor trava amanhã um jogo decisivo frente ao São Caetano, às 19h30, na Vila Capanema. Caso conquiste os três pontos e encerre o incômodo jejum de vitórias, o time de Toninho Cecílio recupera, na pior das hipóteses, o 12.º lugar. “Precisamos recuperar o equilíbrio que norteou nossa campanha em boa parte do primeiro turno. Temos um time de boa qualidade técnica, mas só isso, na Série B, não basta”, avisa o meio-campo Lúcio Flávio.

Para o jogador, há clubes que estão até na briga pelo acesso e que não possuem o mesmo poderio técnico do Tricolor. “Fizemos alguns jogos de alto nível. Com rendimento superior ao de muitos clubes que estão à nossa frente. Mas isso não vale nada”, completou o jogador, esperando um time mais atento frente ao Azulão.

A vitória mais recente do Paraná aconteceu há 20 dias -2 x 0 sobre o Bragantino. Só que desta vez o time não terá pela frente um adversário ameaçado pela degola. A motivação do São Caetano é outra. Na 4.ª colocação, com 49 pontos, o time de Émerson Leão mira o acesso, após seis temporadas relegado ao segundo escalão nacional. “Não importa o grau de dificuldade. Temos que nos impor, contando o apoio do nosso torcedor para sair dessa situação ruim”, comentou Lúcio Flávio. Caso o Guarani perca para o América-RN, uma vitória amanhã pode deixar o Tricolor na 11.ª posição.

Entre junho e agosto, o Paraná viveu seu melhor momento na Série B. Consolidou o 8.º lugar e chegou a esboçar o ingresso no G4. Na 9.ª rodada, quando venceu o Boa Esporte (2 x 0) o Tricolor chegou ao 5.º lugar. O declínio, que culminou com a saída de Ricardinho, começou a partir da 17.ª rodada, quando de forma vexatória o Paraná perdeu para o Ipatinga, no interior mineiro.