Foto: Valquir Aureliano/Tribuna

José Domingos está animado.

A estréia do Paraná Clube na Copa Libertadores da América será no Chile, em pleno deserto de Atacama. O sorteio de ontem, em Assunção, no Paraguai, colocou o Cobreloa no caminho paranista.

A primeira fase será disputada em sistema eliminatório e apenas seis dos doze clubes avançam para a etapa de grupos, também definida ontem, na sede da Conmebol.

O presidente José Carlos de Miranda acompanhou de perto a ?dança das bolinhas?, que acabou estabelecendo a rota do Tricolor em sua primeira participação no maior torneio do continente. Com deslizes da organização – alguns, devido à forte chuva que atrasou inclusive a chegada de alguns convidados – a cerimônia foi relativamente rápida e sem nenhuma pompa.

Com as participações do ex-craque peruano Teophilo Cubijas, do goleiro argentino Bobadilla e do árbitro Horacio Elizondo, os grupos que abrem a Libertadores 2007, nos dias 24 e 31 de janeiro e 7 de fevereiro, foram tomando forma. O Santos foi o primeiro clube sorteado e seu adversário é o boliviano Blooming.

O Paraná Clube foi o quinto cabeça-de-chave. Nesse momento, já tinha fora de seu caminho a LDU, do Equador, e o Danúbio, do Uruguai.

O tradicional Cobreloa, do Chile, com 12 Libertadores no currículo – e duas finais – será o primeiro grande desafio do time do técnico Zetti no ano que vem. Os chilenos voltam ao torneio – ficaram de fora da última edição -, enquanto o Tricolor faz sua estréia. Somente eliminando este adversário, o Paraná avança à fase de grupos. O vencedor deste confronto vai para o Grupo 5 da segunda fase, onde estão Flamengo, Real Potosí (Bolívia) e Unión Atlético Maracaibo (Venezuela).

?Nossa expectativa era enfrentar, neste mata-mata, o Deportivo Táchira, da Venezuela. Vamos encarar um time experiente na competição, o que sempre aumenta a dificuldade?, comentou o vice de futebol José Domingos. ?Estamos buscando os reforços e confiamos muito no trabalho da comissão técnica, que é experiente nessa competição e vai saber mobilizar o grupo em torno do primeiro objetivo: avançar à segunda fase?, completou o diretor de futebol, Durval Ribeiro. Zetti e Silas (auxiliar-técnico) são as apostas do Tricolor para garantir um perfil vencedor ao Paraná, em seu novo e mais importante .

Reforços são uma missão indigesta

?Não está fácil?. Em tom de lamentação, o diretor de futebol, Durval Lara Ribeiro, admitiu que está encontrando muitas dificuldades no processo de reconstrução qda equipe. Nas contas dos dirigentes, o Paraná Clube precisa de pelo menos oito reforços e até o momento apenas o atacante Lima, do J. Malucelli, foi acertado.

Esta conta pode sofrer alguma variação com a recente volta do lateral-direito Peter.

?Este processo é desgastante. Mas o clube não vai mudar sua diretriz?, avisou Vavá. Ele admitiu que o zagueiro Daniel Marques e o meia Cristian são os jogadores do Palmeiras que negociam o retorno à Vila Capanema.

?Só que há a questão salarial a ser equacionada?, disse. Cristian passou pelo Tricolor em 2004, Daniel Marques, no ano passado, com bom desempenho. Desde que saíram do Paraná, rodaram por alguns clubes sem o mesmo sucesso.

O impasse em relação a Daniel Marques é estritamente financeiro.

O jogador recebia R$ 35 mil no Atlético Mineiro, sua última equipe, valor muito acima dos padrões do Tricolor. Vavá Ribeiro pretende trazer o zagueiro a Curitiba para tentar uma composição. Em férias na cidade de Jaú – interior paulista – o jogador disse que gostaria de ter a chance de disputar a Libertadores, algo que não ocorreu nessa temporada, quando acabou ?cortado? pelo técnico Abel Braga, do Inter.

Já o meia Cristian, que não conseguiu recolocar o Coritiba na Série A, teve apenas um contato com a diretoria do Paraná.

O jogador tem propostas do exterior e seus direitos federativos não pertencem integralmente ao Palmeiras, o que poderia dificultar a transação. Dirigentes do Tricolor já conversaram com Odário Durães, procurador do atleta, mas até o momento não houve nenhuma definição. O Tricolor ainda tenta acerto com o zagueiro Aderaldo e tem engatilhada a contratação de um ?homem-gol? para suprir a saída de Leonardo.

Vila deve ser o palco da Libertadores

A Conmebol deve homologar os jogos do Paraná Clube para o Estádio Durival Britto.

O presidente José Carlos de Miranda levou em mãos laudos do Corpo de Bombeiros e da Federação Paranaense de Futebol. Às 14h50, chegou à sede da Confederação Sul-Americana o expediente do Comando da Polícia Militar de Curitiba, assinado pelo Cel. Nemésio Xavier, liberando a Vila Capanema para 20.083 lugares.

O Tricolor se cercou de toda a documentação possível para conseguir jogar em casa no torneio mais importante de sua história. O representante da Conmebol no Brasil, Ildo Nejar, virá a Curitiba nos próximos dias para uma avaliação do estádio, mas o presidente Miranda acredita que não haverá nenhum empecilho. ?Fizemos jogos com casa cheia no Brasileiro e a própria Polícia Militar reconhece que a Vila é um dos estádios mais seguros do nosso Estado?, comentou o presidente paranista.

O dirigente agradeceu a mobilização política de ilustres paranistas para que todo o trâmite legal ocorresse dentro do prazo. ?Agora, é só esperar a homologação da Sul-Americana e a tabela de jogos. Tenho certeza que frente ao Cobreloa, teremos uma festa parecida com aquela da última rodada do Brasileirão?, comentou José Domingos.

Com o aval da PM e do Corpo de Bombeiros, a Vila tem capacidade para ser utilizada ao longo de todas as fases da competição, à exceção de uma eventual final, que teria que ser disputada num estádio para 40 mil torcedores.

Programação da viagem quase pronta

Alguns minutos após o sorteio, o superintendente de futebol Ricardo Machado Lima já tinha em mãos um esboço da programação do Paraná para sua primeira viagem ao Chile.

O site da Conmebol programa três datas para os jogos da primeira fase – 24 e 31 de janeiro e 7 de fevereiro. Como o calendário da CBF prevê o primeiro jogo desta etapa para o dia 31 de janeiro, é com essa data que o Tricolor se programou.

A delegação seguirá para Santiago do Chile e de lá vai de avião para a cidade de Antofagasta. O trajeto final, até Calama, será de ônibus. A sede do Cobreloa fica a 1.350 quilômetros ao norte da capital chilena e na região, desértica, a previsão de ontem era para temperaturas variando de 4 a 26.º. O estádio municipal de Calama, utilizado pelo clube, tem capacidade para 20.180 torcedores. O Paraná irá se deparar também com uma altitude bem superior à de Curitiba: 2.260m.

A partir da homologação das datas e horários dos jogos, Ricardo Machado Lima fornecerá o cronograma completo da viagem paranista, facilitando assim a organização de excursões de torcedores, que certamente farão questão de marcar presença nestes jogos históricos para o clube.