Foto: Valquir Aureliano

Batista, um velho conhecido da torcida, está de volta.

O grupo está praticamente fechado. O Paraná Clube, após definir a troca no comando técnico, partiu para ajustes definitivos no seu elenco. Entre o afastamento de seis jogadores e a contratação de três reforços, o Tricolor vai trabalhar no segundo turno com 28 jogadores. A vinda de mais um atacante ainda está sendo analisada, mas a falta de opções no mercado pode fazer com que a idéia seja abortada.

Neste processo de reformulação, dois reforços foram apresentados ontem. Além do meia Batista, 28 anos, o clube fechou com o ala-esquerdo Élvis, de apenas 21 anos. ?É um jogador que fez um grande campeonato paranaense. O pensamento era trazê-lo em janeiro, mas como a negociação evoluiu, aceleramos o acerto?, revelou o diretor de futebol Durval Lara Ribeiro. Élvis rompeu recentemente seu vínculo com o Iraty, o que facilitou a transação. No último estadual, vestiu a camisa do Rio Branco.

Foto: Valquir Aureliano

A novidade ficou por conta do ala-esquerdo Élvis.

?Acho que aproveitei bem a chance que tive em Paranaguá?, comentou o jogador, que fora emprestado pelo Iraty ao clube do litoral. ?É a grande chance da minha vida, num grande clube, da primeira divisão nacional?, analisou Élvis. Ala por origem – com um estilo ofensivo, procurando sempre a jogada de linha de fundo – o jogador diz ser versátil, capaz de jogar também pelo meio-de-campo. ?É minha característica. Estou chegando para ajudar?.

Com Élvis, o Paraná supre a carência do setor, diante do recente afastamento de Márcio Careca e Digão, colocados em disponibilidade pela diretoria. Lori Sandri conta, assim, com Paulo Rodrigues e Elvis para a ala esquerda. O lateral foi apresentado ao lado de um velho conhecido da torcida tricolor. Batista está de volta ao clube, após uma rápida passagem pelo Avaí. ?Vivi bons momentos aqui. E é isso que espero retomar a partir de agora?, comentou o meia.

Jogador de muita mobilidade, era considerado o ?motorzinho? do time, que no ano passado conquistou uma inédita quinta colocação no Brasileiro. ?Sei que o momento não é dos melhores. Mas o grupo é qualificado. Caberá ao Lori escolher quem formará o time-base. Estou pronto?, assegurou. Como vinha atuando pelo clube catarinense, na Série B, Batista já participou normalmente dos treinos táticos dos últimos dias. ?Estou reencontrando grandes amigos, então não haverá nenhum problema de adaptação. E isso é bom, pois o Paraná precisa reagir imediatamente?, destacou Batista.

Muçamba chega hoje

Se Batista e Élvis já estão treinando, o terceiro reforço desta era Lori Sandri chega hoje a Curitiba. Outro velho conhecido da torcida tricolor. O volante Rafael Muçamba se reúne à tarde com a diretoria para definir questões salariais e após os exames de rotina deve ser apresentado à imprensa.

Rafael Muçamba também espera reviver no Tricolor os bons momentos do passado. O volante deixou o clube no ano passado, logo após a conquista do título paranaense. No São Caetano, não foi feliz – caindo para a Série B -, e, na atual temporada, teve rápida passagem pelo América de Natal.

Com essa contratação, a diretoria espera corrigir uma falha estrutural. Mesmo com muitos meias de contenção no clube – até o afastamento de Elton e Serginho – havia carência de um jogador com a característica de primeiro volante. Um problema que se arrastava desde a saída de Xaves, negociado com o Atlético Mineiro.

?Além da questão técnica, há o fato de que o Muçamba sempre foi um jogador de grupo, que foi muito importante nas nossas conquistas passadas?, lembrou o vice de futebol José Domingos.