O Paraná Clube tem hoje -às 21h50, no Durival Britto – a chance de consolidar a sua posição de um dos favoritos ao acesso para a primeira divisão do futebol brasileiro.

O jogo frente à Ponte Preta vale a vice-liderança da Série B e é encarado como o mais importante confronto, até aqui, na competição. O técnico Roberto Fonseca evita lamentar ausências e destaca o equilíbrio de seu elenco como a grande arma do Tricolor, que com um futebol solidário vem colecionando vitórias e empolgando seu torcedor.

“Vimos, em Criciúma, uma demonstração dessa sintonia entre time e torcida. Por isso, não espero nada menos do que casa cheia nesta terça-feira”, resumiu Roberto Fonseca.

A euforia da galera é bem-vinda e compreensível, mas não contagia o grupo. “Nós temos a cabeça muito bem focada naquilo que a Série B exige. Não dá pra perder tempo comemorando uma vitória, pois temos muito chão pela frente”, assegurou o treinador, que mais uma vez colocará à prova a qualidade do seu elenco.

O zagueiro Amarildo e o meia Welington seguem em processo de recuperação e vetados para o desafio frente à Macaca. Outro que pode ficar de fora é o ala Lisa. Frente ao Criciúma, ele levou uma pancada forte à altura dos quadris.

Ontem, tentou treinar, mas a dor fez com que deixasse o campo antes do previsto. “Vamos reavaliá-lo amanhã (hoje)”, disse o médico Jonathan Zaze, não disfarçando o pessimismo quanto à possibilidade de utilização de Lisa. Diante do quadro, mais uma vez Fonseca fugiu ao lugar comum.

Ao invés de simplesmente escalar Júlio César na posição, deslocou Brinner para a ala, posicionando a dupla de zaga com Cris e Castan e devolvendo Lima à lateral-esquerda.

Neste novo “modelo”, o técnico abriu espaço para Rone Dias no meio-campo. O setor também terá a volta de Serginho, na vaga de Everton Garroni. “Nesse momento, tenho que optar por aqueles jogadores que estão num melhor momento, de preferência com um bom ritmo de jogo”, justificou Fonseca, mostrando confiança na força de conjunto que o Paraná apresentou ao longo dos nove jogos sob a sua direção.

“O comportamento de todos tem sido irrepreensível. Eventuais problemas ou deslizes não contaminam o grupo, que é profissional e sabe o que quer”, frisou. A partir desta solidez, Fonseca busca manter o time na ponta de cima da tabela, brigando, inclusive, pela liderança.