Paraná Clube demite braço direito de Ricardo Pinto

O clima tenso criado por declarações do treinador Ricardo Pinto após a partida contra a Lusa, na terça-feira passada, na quais expôs a fragilidade financeira do clube, fez a primeira vítima: o auxiliar Luiz Juresco não faz mais parte da comissão técnica do Paraná Clube.

A decisão, tomada em conjunto pelo departamento de futebol, é um duro golpe em Ricardo Pinto, que tinha em Juresco seu braço direito. A dupla chegou na Vila Capanema há três meses.

O vice de futebol Paulo César Silva creditou a saída de Juresco aos erros cometidos durante o jogo contra a Portuguesa. “Entendemos que mudanças eram necessárias e começamos pelo Juresco”, disparou Paulão.

“O que aconteceu contra a Portuguesa foi lamentável. Temos o técnico e dois auxiliares e os três decidiram pelas mudanças efetuadas? Três mil gritando que tava errado e só eles estavam certos?”, questionou o dirigente paranista.

Paulo César Silva deixou no ar a possibilidade do remanejamento de Luiz Juresco para as categorias de base. “Hoje, ele está dispensado e não trabalhará mais no profissinal”.

O vice financeiro do clube, Celso Bittencourt, também cogitou essa possibilidade, mas descartando haver qualquer vínculo de Juresco com a Sinoway, patrocinador master do Paraná Clube.

“Não há nenhum impedimento para a saída do Juresco ou do Ricardo Pinto. O contrato de patrocínio é independente”, assegurou. Ricardo Pinto alegou que mesmo estando no Paraná há três meses, ainda não assinou contrato com o clube.

A declaração deu margem a novas especulações sobre as ligações entre a sua contratação e o acerto com a Sonoway. Coincidentemente, mesmo estampando a marca da empresa chinesa nas suas camisas desde o Estadual, até o momento o Paraná não recebeu nenhuma parcela do patrocinador.

“Isso não existe. O acerto com a Sinoway não traz nenhuma exigência quanto à comissão técnica”, afirmou Bittencourt. Sobre a lentidão na liberação das verbas, Bittencourt disse que o processo está sendo agilizado e que as partes estão trabalhando em sintonia.

Descartou que essa demora esteja ligada a impedimentos do Paraná. “Nós só temos um problema hoje, que é a penhora das cotas de tevê por causa de uma ação do Vitória. Nossas contas bancárias estão liberadas”, assegurou Bittencourt, rebatendo insunuações de possíveis “contas bloqueadas”.

Com a saída de Juresco, a comissão técnica ganhou a adesão de um ex-paranista. Ednelson, autor do gol do primeiro título do clube (1991), foi promovido das categorias de base.

Ageu Gonçalves passa a ser o imediato de Ricardo Pinto. Pelo menos, esta é a tendência. Ao ser indagado sobre a permanência de Ricardo Pinto à frente do time, Paulo César Silva deu uma resposta evasiva. “A princípio, ele segue no cargo”, arrematou o dirigente.