Valquir Aureliano
Saulo acredita em três vitórias pra livrar time da degola: ?Mas vai ser sofrido?, avisa.

Na base da transpiração, o Paraná Clube segue vivo no Brasileirão, mas ciente das dificuldades que terá pela frente. Diante dos confrontos diretos existentes nas três últimas rodadas, como Goiás x Corinthians, no próximo fim de semana é possível uma variação no ?número mágico? para permanecer na Série A. Porém, o Tricolor prefere focar apenas seus jogos, acreditando que com três vitórias e 50 pontos, o clube se mantém na elite nacional.

É possível, e até provável, o sucesso com uma menor pontuação. ?Dependendo do que ocorrer com os nossos concorrentes, podemos alcançar o objetivo com 47 pontos?, acredita o vice de futebol José Domingos. Há chance, inclusive, de sair da zona de rebaixamento já na próxima rodada.

Mas, para evitar o uso freqüente da calculadora, os paranistas querem mesmo é vencer as três decisões que lhe restam, contra Botafogo (no Maracanã), Santos (na Vila Capanema) e Vasco (em São Januário).

?O rendimento do time me dá essa confiança. Podemos fazer três grandes jogos e fechar o ano em alta?, disse o técnico Saulo de Freitas. ?Mas será sofrido, como o jogo do último sábado?, alertou. O técnico não teme os sucessivos ?testes para cardíacos? que se desenham na vida do Paraná. ?Toda conquista só vem com sofrimento. E esse grupo está fechado. Aparamos arestas e hoje todos estão mobilizados em torno daquilo que o Tricolor necessita.?

Em meio à preocupação, Saulo de Freitas trata de manter todos ?com os pés no chão?. Logo após a vitória sobre o Goiás, conversou com o garoto Jumar, novamente o destaque da partida e, desta vez, com um golaço que valeu três pontos suados. ?Ele vem jogando muito bem. Mas qualquer euforia neste momento é sem sentido. Nada conquistamos e não podemos nos contentar porque vencemos uma partida. Faltam três?, sentenciou o ?Tigre?.

No próximo sábado, o Paraná vai ao Rio de Janeiro para encarar o Botafogo. Para essa partida, o treinador terá a volta de Goiano, que ao natural entra na vaga de Adriano, suspenso pelo 3.º cartão amarelo. ?Tenho ainda algumas opções que pretendo testar durante a semana?, avisou Saulo, dando a entender que pode até mexer na estrutura da equipe diante da qualidade de um adversário essencialmente ofensivo.

Aurival Correia será aclamado presidente

Valquir Aureliano
Dirigente encabeça a chapa Aliança Tricolor.

Aurival Correia já é o novo presidente do Paraná Clube. Nenhum opositor conseguiu se articular na elaboração de uma chapa para o pleito da próxima quarta-feira, que será para a simples aclamação dos dirigentes que irão comandar o clube nos dois próximos anos. Mesmo assim, a comissão organizadora destaca a importância de o sócio paranista exercer o seu direito de voto e legitimar, assim, a chapa Aliança Tricolor, composta ainda por Márcio Villela (1.º vice) e Aquilino Romani (2.º vice).

?O processo, mesmo que formal, ocorre normalmente?, disse o superintendente social do Paraná, Luiz Carlos Casagrande. Todos os sócios titulares, maiores de 18 anos e que façam parte do quadro associativo há pelo menos um ano, têm direito a voto, desde que em dia com suas taxas de manutenção. A votação ocorrerá entre 9h30 e 20h, com a ?apuração? ocorrendo logo a seguir. Logo após, o atual presidente em exercício, Correia, será aclamado o mandatário maior do Tricolor.

A crise interna que abalou o clube e culminou com o afastamento de José Carlos de Miranda não foi suficiente para fazer surgir uma oposição forte no Paraná. Aurival Correia conseguiu se desvincular de todas as acusações, que ainda pairam sobre o ex-presidente, mostrando o trabalho desenvolvido ao longo dos últimos quatro anos. ?O nosso sócio, o nosso conselheiro sabem o que fiz pelo Paraná nesses anos?, disse Correia. ?Foi um trabalho árduo para o saneamento financeiro do clube e o resgate da credibilidade do Tricolor.?

União

Foi esse trabalho no setor administrativo-financeiro do Paraná que transformou Aurival Correia no candidato natural, não da situação, mas da ?Aliança Tricolor?, como destaca o próprio presidente em exercício. ?Senti, nos últimos meses, uma união forte de todos os segmentos do clube em torno do meu nome. Isso me fez assumir essa responsabilidade?, comentou. ?Sou um nome de consenso?, disse o catarinense Correia, 59 anos, conselheiro nato do Paraná desde sua fundação e com participação na ?intimidade? do clube desde os tempos de Ferroviário.

A chapa, que acredita na presença expressiva dos sócios às urnas nesta quarta, apresentou também o seu plano de gestão para o biênio. ?Vamos agir com intensidade em três frentes: social, categorias de base e futebol profissional?, disse Aurival Correia. Porém, o dirigente lembrou que no momento a sua atenção, bem como a dos demais pares de diretoria, está voltada para a reta final do Brasileirão. ?São três rodadas, onde vamos estar focados exclusivamente no sucesso desse time, que merece permanecer na elite nacional?, afirmou o dirigente.

Nova diretoria promete valorizar formação de talentos

Na proposta para o futebol profissional, Correia, Villela e Romani pretendem: manter a base da atual equipe; seguir numa posição de destaque no ranking nacional; revelar e valorizar novos jogadores; construir um moderno centro de treinamentos e implantar novos canais de comunicação com o torcedor. Proposições intimamente ligadas às categorias de base do Tricolor, onde a diretoria irá implantar um programa de formação de atletas, valorizar escolinhas e adotar uma política de responsabilidade social junto a comunidades carentes e instituições públicas.

Num dos pontos, a ?Aliança Tricolor? pretende a promoção de atletas revelados pelo clube na equipe profissional. A meta é chegar aos 30% no próximo ano e 50% em 2009, resgatando o perfil do Paraná de grande formador de talentos. Para a área social, Aurival Correia e equipe pretendem implantar novas atividades de lazer, promover eventos sociais ao longo de toda a temporada, manter e melhorar continuamente o patrimônio e seguir investindo na capacitação dos funcionários.

A partir da aclamação, Correia irá anunciar os demais componentes de sua diretoria, com os vices de cada área e respectivos diretores. Apenas no futebol houve uma antecipação, com a manutenção da ?dupla? José Domingos e Durval Lara Ribeiro, o Vavá, hoje focada na obtenção dos três resultados necessários para a permanência na Série A, nos confrontos com Botafogo, Santos e Vasco.