O primeiro reforço do Paraná Clube para a disputa da Série B se apresentou ontem na Vila Capanema. O zagueiro Amarildo, ex-São Bernardo-SP, realizou bateria de exames e já neste fim de semana começa a trabalhar com o elenco.

Amarildo, 28 anos, está na “agenda” tricolor há quase um ano. Em junho do ano passado, o Paraná disputou amistoso contra o Brasil de Pelotas, no interior gaúcho, e quis contratá-lo.

“Ele fez um grande jogo. Mostrou segurança e liderança em campo”, lembrou Guto de Melo, que volta ao departamento de futebol para ajudar o presidente Aramis Tissot na montagem do time para a Série B.

Amarildo, porém, não deverá ser o único zagueiro a ser contratado. Nos planos da diretoria, mais um ou dois jogadores de defesa podem chegar. O presidente Aramis Tissot não se pronunciou sobre a chegada de Amarildo, mas o clube trabalha no sentido de trazer de nove a doze atletas já na próxima semana.

O objetivo é fazer com que a comissão técnica tenha ao menos uma semana para trabalhar com todo o grupo. “O objetivo é esse. Mas há muitos pontos a serem ajustados internamente para que a gente possa finalizar algumas transações”, explicou Tissot. Por enquanto, além de Amarildo, o Paraná só dá como certas as vindas do ala Lisa e do volante Cambará – ambos do Operário de Ponta Grossa.

O empresário Marcos Amaral também já teria fechado com o goleiro Ivan, também do Operário, e com os meias Wellington (Arapongas) e Thiago Santos (Cianorte).

Porém, no clube, ninguém confirma o interesse nesses jogadores. O foco principal do Tricolor estaria no mercado paulista, de onde poderiam vir boa parte das peças que o clube ainda necessita. A rigor, a diretoria busca novos jogadores para todos os setores do time.

Prazo apertado

Mesmo ainda sem um orçamento estabelecido ou parcerias firmadas, a diretoria vai tentando driblar as dificuldades para compor uma base para a largada da competição, que começa dia 21 de maio.

Na prática, é uma corrida contra o tempo. “Temos urgência na chegada de peças, por mais que a gente já possua uma espinha dorsal a partir dos remanescentes do Paranaense”, lembrou o técnico Ricado Pinto. O treinador não irá participar diretamente deste processo de reformulação do grupo. “Isso fica a cargo da diretoria”, disse.