O gramado do Pinheirão recebeu os últimos retoques para o jogão deste
domingo, quando o Cruzeiro poderá ser
o campeão brasileiro da temporada.

O campeonato brasileiro volta a ser atração após duas semanas direcionadas à seleção brasileira. E Curitiba, mais uma vez, está no roteiro dos simpatizantes do futebol. Paraná Clube e Cruzeiro fazem, neste domingo, às 16h, no Pinheirão, o principal jogo da 43.ª rodada. O clube mineiro entra em campo alimentando a possibilidade de assegurar antecipadamente o título de campeão brasileiro. A missão do Tricolor é “caçar a Raposa” e de quebra aproximar-se do objetivo maior: a classificação à Copa Sul-Americana.

A diretoria não deixa por menos e sonha com “casa cheia”, impulsionando a campanha do time nesta reta final do Brasileirão. Ingredientes para isso não faltam. O Paraná Clube retorna à sua casa, após quase quatro meses “rodando” por vários estádios da capital, do Estado e até de Santa Catarina. Além disso, o torcedor paranista não acompanha seu time de perto há 35 dias – foram cinco jogos seguidos fora de Curitiba. Apesar do “exílio” forçado (o clube perdeu dois mandos de campo), o Tricolor atingiu o eqüilíbrio projetado pelo técnico Saulo de Freitas e é hoje o time há mais tempo sem derrota na competição, desde o dia 28 de setembro.

Com nove jogos de invencibilidade, o Paraná terá pela frente justamente o melhor time da competição, líder isolado com seis pontos de vantagem sobre o segundo colocado. O Cruzeiro garante o título no domingo caso vença o jogo e o Santos perca, em casa, para o Fluminense. Tecnicamente, estarão frente a frente dois dos melhores ataques da competição. Cruzeiro (85) e Paraná (78) só estão atrás do Santos (87), abrindo a perspectiva de um jogo com muitos gols. Para completar, a diretoria definiu somente duas categorias de ingressos, com preços acessíveis, ainda mais se tomarmos por base o jogo da seleção, na última quarta-feira.

São 30 mil ingressos à disposição do torcedor, ao preço de R$ 15,00. Mulheres, menores, sócios e estudantes pagam R$ 7,50. Os ingressos garantem acesso a qualquer setor do estádio. “O Pinheirão, agora, dispõe somente de cadeiras e não haverá distinção entre cadeiras superiores ou inferiores”, explicou o diretor de futebol Durval Lara Ribeiro. “É a hora de nossa torcida marcar presença. Precisamos deste retorno financeiro e desse apoio para atingirmos nossas metas neste fim de temporada”. Há tempos o Paraná não obtém um público expressivo, mas a última grande “festa tricolor” ocorreu, coincidentemente, no Pinheirão.

Lá se vão um ano e oito meses. Em março de 2002, o Paraná recebeu o Internacional pela Copa Sul-Minas. Naquele dia – em uma das muitas reinaugurações do estádio da Federação Paranaense de Futebol – foram 27.232 pagantes. Agora, modernizado e adaptado ao Estatuto do Torcedor, o Pinheirão passa a ser mais um atrativo para o torcededor paranista. “Temos que agradecer ao Moura, pois o Pinheirão ficou lindo. O estádio nos dará uma nova identidade”, disse o técnico Saulo de Freitas. “Faz tempo que não jogamos aqui, mas espero que consigamos manter o mesmo ritmo das últimas partidas”, finalizou.

“Sabiá” veio trazer a proposta para Renaldo

O futuro de Renaldo pode ser definido nos próximos dias. Seu procurador – o ex-jogador Carlinhos Sabiá – chegou ontem a Curitiba para tratar do assunto. Um emissário do Anyang-LG, da Coréia do Sul, já conversou com o empresário, mas os valores ainda estão muito aquém do imaginado pelo artilheiro paranista. “Estamos negociando e pode ser que algo aconteça nos próximos dias. Depende mais deles (dos sul-coreanos), do que de nós”, disse Carlinhos.

Renaldo pediu a presença do procurador para evitar que este assunto viesse a atrapalhar seu dia-a-dia. “Temos um jogo importante e quero pensar apenas nisso”, explicou. “O Carlinhos sabe o que penso em relação à uma transferência e se os valores pedidos forem aceitos, fecharemos negócio.”

Renaldo assegurou que só sairá do País por uma quantia expressiva. “Quando vim, este foi o acerto. Não há nenhum impedimento para transações para o exterior. Mas, caso outro clube brasileiro manifeste interesse, tenho que dar a preferência ao Paraná”, comentou.

Renaldo voltou a assegurar que hoje seu objetivo é chegar à artilharia do Brasileirão. Leva pequena desvantagem em relação a Dimba e Luís Fabiano. O jogador disse estar em ótima fase e até usou o jogo da seleção como parâmetro. “No meu momento, não perderia aqueles gols que o Brasil desperdiçou”, disse. Sempre em ótima forma, Renaldo achou curiosa a alegação de que a seleção está caindo de rendimento no segundo tempo dos jogos. “Para render, o jogador deve estar sempre bem fisicamente”, disse, não entendendo como jogadores podem defender a seleção distantes de seu melhor condicionamento.

Time inaugura novo uniforme

O torcedor paranista terá mais uma atração neste domingo. O Tricolor utilizará seu novo uniforme, agora com a marca Rhumell. Os novos designers, tradicionais e respeitando o estatuto do clube, foram apresentados ontem, na sede social do Paraná. Vale lembrar que o Paraná jamais foi derrotado nos jogos de lançamento de novos uniformes. O contrato com a nova fornecedora de material esportivo tem duração de dois anos.