A indefinição, ao que tudo indica, está apenas no gol. No que depender do técnico Dado Cavalcanti, nas demais posições o novo Paraná Clube está pronto para a largada na Série B do Brasileiro. No sábado, o Tricolor encara o ABC, no Almeidão, em João Pessoa, com até sete alterações em relação ao time que disputou o Estadual. Utilizando o mesmo sistema que aplicava no Mogi Mirim (um 4-1-4-1) o treinador aposta na “intensidade” para superar a falta de entrosamento.

Em seis posições, o técnico já tem convicção. Só falta definir o goleiro. No treino de ontem, mais uma vez Marcos e Luís Carlos se revezaram na posição. “Nesse ponto, estou absolutamente tranquilo. Contamos com dois grandes goleiros”, disse Dado, sem dar pistas se entregará a camisa 1 ao experiente Marcos ou ao eficiente Luís Carlos. Nas demais posições, o treinador repetiu a mesma equipe que tem sido trabalhada.

O provável Paraná deve iniciar a sua caminhada na Segundona com Marcos (Luís Carlos); Roniery, Anderson, Brinner e Paulinho; Cambará, Ricardo Conceição, Lúcio Flávio, Ronaldo Mendes e Rubinho; Reinaldo. “Vou utilizar um atacante de referência e a aproximação de pelo menos quatro jogadores”, explicou Dado. Só que para escalar este time, o treinador ainda depende do BID – pelo menos no que diz respeito às laterais. Apenas Roniery e Paulinho não tiveram seus contratos registrados até ontem junto à CBF.

No caso de Paulinho, a situação será facilmente resolvida, segundo o supervisor Fernando Leite. “Faltou apenas uma assinatura do médico. Já foi providenciado e ele estará liberado nesta quinta (hoje)”, disse. A questão de Roniery é um pouco mais complexa. O Paraná depende da liberação do Sampaio Corrêa, através da federação maranhense, antes de dar entrada na documentação do jogador. Caso o problema não seja equacionado, Édson, ex-Atlético de Sorocaba, será o titular contra o ABC.