Foto: Allan Costa Pinto

Em Porto Alegre, Paraná pode até perder por um gol de diferença que garante a vaga nas quartas-de-final. E Angelo está confirmado para encarar o Internacional amanhã.

O Paraná Clube não conseguiu superar as suas limitações e o resultado foi a eliminação do Campeonato Paranaense. Sem poder de fogo, o time de Paulo Bonamigo não conseguiu marcar um gol sequer no rival Coritiba, em dois jogos, e viu o sonho de chegar à terceira final seguida ir por água abaixo.

Foi a comprovação prática do que ocorreu ao longo da temporada: em 28 jogos, a média ofensiva do Tricolor é de 1,39 gol/jogo. Restou ao Tricolor a Copa do Brasil, competição que até então era deixada em segundo plano por jogadores e integrantes da comissão técnica.

Paulo Bonamigo sempre deixou claro que o Estadual tinha um peso maior no clube. Talvez projetando a real possibilidade de levantar mais um troféu. Afinal, no torneio nacional, o caminho ainda é árduo e diante de adversários de elevado nível técnico. O primeiro desafio é confirmar em Porto Alegre a classificação para as quartas-de-final. Para isso, o Paraná pode até perder por um gol de diferença, ou até dois, caso balance as redes do Internacional. ?É uma vantagem considerável. Se fizermos um gol, obrigamos o Inter a ter que fazer quatro?, lembrou o atacante Fábio Luís.

O fato de estar presente em uma competição como a Copa do Brasil – vista por todos como atalho para a Libertadores da América – fez com que os jogadores absorvessem com maior serenidade a eliminação no Paranaense. ?Queríamos muito brigar por esse título. Mas, estamos vivos em outra competição, muito valorizada e que pode melhorar a imagem do clube no cenário nacional?, destacou o ala Angelo. Com sua presença, o Paraná ganha consistência num setor que vem tirando o sono da comissão técnica.

Se os números jogavam contra o Tricolor na semifinal do Paranaense, agora ocorre exatamente o contrário. A média de gols sofridos pelo time neste ano é de exatamente 1 gol/jogo. Mais do que isso: apenas quatro vezes o Paraná perdeu por dois gols de diferença, sendo três delas por 2×0, placar que se repetido em Porto Alegre levaria a decisão para a cobrança de pênaltis. ?Temos que jogar com inteligência, sem nos expormos, mas também criando alternativas ofensivas?, destacou o meia Giuliano.

Caso supere o Internacional, na próxima fase da Copa do Brasil o Paraná enfrenta o vencedor do duelo entre Palmeiras e Sport Recife, que fazem amanhã o primeiro jogo pelas oitavas-de-final.