Alex volta a ser titular da lateral direita tricolor hoje à tarde.

No embalo dos bons resultados obtidos frente aos clubes paulistas – empate diante do São Paulo e vitória sobre o Palmeiras – o Paraná Clube busca sua primeira vitória em casa neste Brasileirão.

"Seria a vitória da moral", resumiu o atacante Borges, principal referência ofensiva do tricolor na competição. Frente à Ponte Preta, às 16h, no Pinheirão, o time de Lori Sandri espera o apoio de sua galera, projetando um grande avanço na tabela com a conquista de mais três pontos.

O técnico, mesmo ainda se ressentindo de maiores opções, aposta na manutenção da mesma estratégia aplicada na última rodada. O desafio é mostrar que o plano de jogo utilizado com sucesso fora de casa é também viável diante de um adversário cauteloso. "Não adianta apenas preenchermos os espaços. Devemos fazer isso com ousadia, adiantando as linhas de marcação e usando muito as laterais", confirmou Lori Sandri.

Alex volta à ala direita (ele substitui Neto, suspenso) com a missão de garantir pelo seu setor o mesmo volume de jogo apresentado por Vicente pelo lado esquerdo. "Se isso ocorrer, teremos variações significativas para romper a marcação da Ponte Preta", comentou Alex. O adversário, que joga com apenas um atacante, tem como característica uma marcação efetiva em seu campo, com saídas em velocidade. "Precisamos agredir, mas sem nos expormos", lembrou Borges.

O artilheiro do Paraná no brasileiro, com dois gols, preferiu não prometer "cambalhotas". Borges comemora cada gol com acrobacias, mas garante que se isso se repetir hoje será conseqüência de uma boa atuação. "Não sou de prometer gols, pois se depois você não marca, fica feio. Mas, o que o torcedor certamente verá é muita disposição, muita luta", afirmou o atacante. Para Borges, o segredo da ascensão da equipe está na humildade do elenco.

"Já passei por várias equipes e sou sincero ao garantir que nunca me senti tão bem", disse. "Estou à vontade, pois sinto que temos um grupo vencedor, que não fica de conversinha, que não deixa vaidades atrapalharem o trabalho." Borges conhece bem o adversário desta tarde e espera repetir com a camisa do Paraná o que fez no Paulistão, quando defendia o União São João. "Vencemos por 3×2 e eu marquei dois gols", lembrou. Mesmo sendo o único atacante de ofício da equipe, Borges não estará isolado à frente. Os volantes Mário César e Beto têm a função de fazer com que a bola chegue a Borges e a Thiago Neves, que mais uma vez atuará com maior liberdade.

Maicossuel está na mira

O grupo do Paraná ainda está, visivelmente, carente de opções para o setor de meio-de-campo. O técnico Lori Sandri escala, hoje, três volantes no setor de armação e desloca Thiago Neves – o jogador mais criativo do elenco – para o ataque, como contra o Palmeiras. Uma formação justificada, ausências de André Dias e Renaldo, ainda lesionados. Só que se a comissão técnica sabe que para a próxima rodada a tendência é que os dois atacantes já estejam liberados, no meio-de-campo não há, ainda soluções. A diretoria confirmou ontem estar negociando com o meia Maicossuel, 19 anos, uma das revelações do Atlético Sorocaba. ?Só que a negociação é complicada. Há muitos clubes interessados nesse jogador?, disse o diretor de futebol Durval Lara Ribeiro.