Uma tarde que tinha tudo para ser triste acabou sendo boa para o Paraná Clube. É certo que a vitória não veio, mas o Tricolor conseguiu o empate em 1×1 com o Juventude, ontem, em Caxias do Sul. O resultado só veio nos minutos finais da partida, quando o time já atuava com um jogador a menos. Com um ponto a mais, o Paraná (que está invicto há quatro rodadas) fica agora a cinco pontos da zona de rebaixamento, em posição confortável.

O Paraná chegou em Caxias do Sul depois de dez dias de folga na competição e treinos em Curitiba. Mais calmo e menos pressionado, o time entrou em campo em um momento positivo inédito na Série B. Paulo Comelli apostou nas jogadas pelas laterais e na velocidade de Éder e Ricardinho no ataque. Do outro lado, Ivo Wortmann sabia que a partida era a última tacada, caso o Juventude realmente quisesse subir para a primeira divisão.

E o treinador do Juve apostou em uma tática que a torcida paranaense conhece desde os tempos de Wortmann no Coritiba, em 2000 e 2001. Ele armou o time num 3-5-2, colocou dois alas ofensivos e “embolou”
o Paraná no primeiro tempo. Sempre faltava um jogador na marcação no meio e no ataque os gaúchos levavam vantagem. Com liberdade, logo aos 6 minutos Abedi acertou um tirambaço de longe e abriu o placar. Desta vez, Mauro não teve culpa, a bola foi no ângulo.

Foram exatos 39 minutos em que o Tricolor não conseguiu sair da armadilha dos donos da casa. Éder, o que se salvou na primeira etapa, teve a única chance paranista, mas chutou em cima de Michel Alves. Murilo, Fabinho, Giuliano e Ricardinho, peças decisivas do time, não estavam bem, e a defesa sentia a ausência dos seus melhores jogadores, os suspensos Fabrício e Agenor. Paulo Comelli mandou os reservas para o aquecimento quinze minutos antes do apito final do primeiro tempo. “Foi muito mal o time, nos perdemos taticamente”, afirmou o treinador.

Para arrumar o sistema de marcação, Rômulo foi sacado e Vágner entrou em campo. O time se acertou e passou a pressionar o Juventude, criando boas chances com Giuliano e Kleber, que jogavam mais soltos e conseguiam sair da marcação de Walker e Lauro. Mas os donos da casa se recuperaram e chegavam com perigo nos contra-ataques. Num desses lances, Vágner cometeu falta em Schwenck, e como tinha cartão amarelo, foi expulso. Ele ficou só 24 minutos em campo.

Com um jogador a menos, a partida ficou complicadíssima para o Tricolor. Rodrigo Pimpão e Camacho (este fazendo sua estréia no Paraná Clube) foram as apostas de Paulo Comelli, mas a equipe tinha que, ao mesmo tempo, buscar o empate e se cuidar das perigosas investidas do Juventude, que aproveitava o espaço no meio-campo para chegar com força (Mauro trabalhou bastante). E na base da luta, o time empatou aos 44 minutos no escanteio da direita cobrado por Rodrigo Pimpão, Leandro subiu e cabeceou com estilo, definindo o placar e premiando a heróica reação paranista.

BRASILEIRO

SÉRIE B – 30ª RODADA

JUVENTUDE 1×1 PARANÁ CLUBE

JUVENTUDE

Michel Alves, Juan Pérez, Dirley e Murilo Ceará; Marcelo Costa, Walker, Lauro, Abedi (Bruno) e Egídio; Schwenck e Mendes.

Técnico: Ivo Wortmann

PARANÁ

Mauro; Murilo, Daniel Marques, Leandro e Fabinho; Rômulo (Vagner), Pituca, Kleber e Giuliano (Camacho); Éder (Rodrigo Pimpão) e Ricardinho.

Técnico: Paulo Comelli

SÚMULA

Local: Alfredo Jaconi (Caxias do Sul-RS)
Árbitro: Arnoldo Vasconcelos Figarela (RO)
Assistentes: Alcides Zawaski Pazetto (SC) e Carlos Berkembrock (SC)
Gols: Abedi 6 do 1º e Leandro 44 do 2º
Cartões amarelos: Dirley, Marcelo Costa, Murilo Ceará (JUV); Pituca, Vagner, Ricardinho (PR)
Cartões vermelhos: Vágner
Renda: R$ 25.687,00
Público total: 3.805