Na condição de “primeiro capitão” do time – na sua ausência, Anderson, Ricardo Conceição e Reinaldo se revezaram na função -, Lúcio Flávio sabe que experiência é fundamental em momentos decisivos. Mesmo assim, prefere destacar a coesão do grupo como o principal fator para que o Paraná Clube feche a temporada em alta e com a vaga na primeira divisão assegurada. “Só chegamos até aqui porque o elenco é muito bom. Fiquei algum tempo fora e o grupo manteve o nível de atuações”, lembrou. Lúcio Flávio, neste returno, só participou de três jogos, sempre entrando no segundo tempo.

O camisa 10 não esconde que gostaria de iniciar a partida desta noite entre os titulares, mas deixa a escolha nas mãos de Dado Cavalcanti. “Sei que ainda não estou pronto para suportar os 90 minutos. Então, essa decisão depende muito da estratégia de jogo, da postura que iremos adotar neste jogo”, lembrou Lúcio Flávio. “Fui melhor nesta partida frente ao Bragantino. Mas quando você fica fora tanto tempo, não é só a questão física que pesa. Mesmo os mais experientes perdem ritmo e isso não volta da noite pro dia”, admitiu.

Lúcio Flávio acredita em casa cheia e sabe que o fator torcida será importantíssimo nesta reta final. “Sei que eles (os torcedores) confiam na gente. Também é verdade que estão ansiosos para ver o acesso se concretizar. Mas, é preciso ter paciência, pois tudo pode se definir na última rodada. Seria ótimo se conseguíssemos emplacar uma sequência de bons resultados e definir tudo com alguma antecedência”, comentou. “Mas, temos que estar preparados para seguir na briga até a última rodada, se necessário. E o torcedor tem que seguir junto com a gente nesta caminhada”, arrematou.