O começo da preparação do Palmeiras para o clássico com o São Paulo, no próximo domingo, pelo Campeonato Brasileiro, terá foco em conversas e mais concentração. O time se reapresentou nesta terça-feira com uma reunião entre o elenco e o técnico Cuca, no centro do campo. A programação vai continuar nesta quarta, com a provável conversa dos jogadores com a diretoria.

A intensa agenda de reuniões e conversas servirá para ajeitar um ambiente conturbado pelos resultados. As críticas da torcida organizada ao trabalho da diretoria e ao desempenho de Cuca, formalizadas em comunicados, levaram o treinador a pedir para dar entrevista nesta terça. “Eu tenho um ambiente bom com eles (jogadores), adoro estar junto deles. Não tenho nenhum jogador que possa dizer eu que não gosto. E acho que nenhum deixa de gostar de mim. Um pode gostar mais, por jogar, mas o ambiente é bom”, disse.

Depois da derrota para a Chapecoense, no último domingo, a equipe teve folga na segunda-feira e voltou ao trabalho na tarde de terça. A primeira atitude de Cuca foi de reunir todo o elenco no centro de um dos gramados da Academia de Futebol. Mesmo os machucados Dudu e Jailson foram ao encontro. Sentados no campo, os jogadores ouviram a fala do treinador.

“Jogador tem de ter tranquilidade para jogar. Está faltando isso. Mas isso só vem com o resultado e os treinamentos”, afirmou o comandante. Nesta quarta-feira, o treino será fechado, a pedido de Cuca. O técnico quer privacidade para começar a armar o time titular para o clássico no Allianz Parque. A missão é ganhar e reverter a sequência de três rodadas sem vitória.

A comissão técnica guarda possíveis surpresas para o jogo. Herói do último clássico com o São Paulo na arena ao ser o autor de um belo gol de cobertura, o atacante Dudu tenta se recuperar de lesão na coxa esquerda para poder atuar no domingo. “O Dudu quer jogar a todo custo, está ‘brigando’ com os médicos para jogar. Se você fala, ele enche o olho de lágrima, mas não adianta forçar uma situação que não seja ideal para ele. Por isso vamos conversar com os médicos”, disse Cuca.