O Palmeiras quer estar na próxima Copa Libertadores. E também quer encerrar o incômodo jejum de títulos. Por isso, Felipão não abrirá mão de utilizar o que tiver de melhor tanto no Brasileirão quanto na Copa Sul-Americana, que começa para o clube paulista nesta quinta-feira, no Rio, contra o Vasco. O problema é o elenco enxuto.

A maratona vindoura será a mesma para todos os brasileiros que disputam as duas competições. Até outubro, a sequência poderá chegar a 14 partidas em 52 dias, válidas pelos dois torneios. O Palmeiras, porém, tem menos peças a disposição que os rivais.

São só 23 jogadores de linha. Isso contando com Gabriel Silva, que está na seleção brasileira que joga o Mundial Sub-20, e Lincoln, já fora dos planos do clube. Sobram, assim, 21 atletas. Para não estourar os jogadores, o preparador físico Anselmo Sbragia desenvolve trabalho específico. “Para aguentar o ritmo sem perder jogador, temos de diminuir o ritmo dos treinos e nos preocuparmos mais com a força do atleta. Poucos treinos com bola”.

Os jogadores estão sendo orientados até mesmo sobre como agir nas folgas. Anselmo recomenda que não descuidem da alimentação e, principalmente, tenham atenção com as baladas. “É importante eles terem vida social, mas os orientamos a descansar porque só os jogos já cansam muito”.

PROCURA POR REFORÇOS – Com o elenco enxuto, a diretoria corre atrás de reforços que disputam a Série B. Felipão tem assistido a vários jogos, mas ainda não conseguiu achar alguém que lhe agrade. A maior preocupação do treinador é descobrir um meia canhoto que possa substituir Luan quando necessário.