O desfalcado Palmeiras foi batido na noite desta quarta-feira, pelo Inter, no Beira-Rio, por 1 a 0 num jogo em que, se tivesse se dado conta da falta de qualidade do adversário mais cedo, poderia ter conseguido pelo menos o empate. Foi a quinta derrota seguida fora de casa, e o sonho de chegar à Libertadores vai ficando cada vez mais distante.

Marcelo Oliveira surpreendeu na escalação do Palmeiras. Amaral, que vinha sendo titular, virou reserva – Andrei Girotto e Thiago Santos entraram para formar a dupla de volantes. E os escolhidos para substituir Dudu e Gabriel Jesus foram Rafael Marques e Cristaldo – esperava-se a entrada de Allione.

Zé Roberto foi condenado a ser o armador solitário, mas só via a bola passando muitos metros acima de sua cabeça. Os lançamentos de Leandro Almeida e Vitor Hugo eram a única maneira usada pelo time para tentar colocar a bola no ataque. E, claro, não funcionava. Como Cristaldo e Rafael Marques não têm habilidade nem velocidade para encarar laterais, o Palmeiras não chegava nem perto da área de Muriel.

No outro lado o cenário não era muito diferente. D’Alessandro, o único com capacidade para armar jogadas, também não aparecia. O Inter apostava em bolas longas a partir dos zagueiros ou na correria de Vitinho, que tentava (só tentava) passar por todo mundo quando recebia a bola.

Diante de tamanha escassez de talento e de imaginação, a bola parada acabou sendo a salvação de um e a desgraça do outro. Aos 19 minutos, D’Alessandro cobrou falta da lateral (uma infração desnecessária cometida por João Paulo sobre Sasha) e colocou no primeiro pau para Nilton cabecear. Foi o terceiro gol seguido sofrido pelo Palmeiras nessas circunstâncias.

Pouco depois D’Alessandro saiu machucado, reduzindo ainda mais a possibilidade de surgir uma jogada inteligente.

O Palmeiras teve duas finalizações no primeiro tempo, ambas de um volante (Andrei). E sofria com as arrancadas de Valdivia, que ganhava sempre de Leandro Almeida. Antes do intervalo o zagueiro tomou um amarelo por pará-lo violentamente. E no primeiro minuto do segundo tempo repetiu a dose e foi expulso.

Marcelo Oliveira colocou Jackson no lugar de Alecsandro, e pouco depois trocou Andrei por Allione. E melhorou um pouco, porque o meia argentino conduzia bem a bola e pelo menos levava o time para perto da área gaúcha.

O Inter, mesmo com um a mais, não chegava perto de fazer o segundo gol. Era um time cauteloso, medroso até, que não se lançava ao ataque para liquidar a partida. Para piorar, perdeu Sasha e Valdivia por lesão. E aí é que ficou sem força ofensiva mesmo.

Sem ser ameaçado, o Palmeiras foi saindo de seu campo. O Inter, nervoso e incapaz de controlar o jogo, foi fazendo faltas para truncar a partida. Nilton deu uma entrada criminosa e foi expulso – a dupla de zaga também apelou e recebeu o amarelo.

O Palmeiras cobrava as faltas jogando a bola na área sem levar perigo. Mas a última a chance surgiu. Aos 45 minutos, Rafael Marques escorou de cabeça e deixou Jackson livre na entrada da pequena área, com a bola pingando na sua frente. O problema é que Jackson é um zagueiro com poucos recursos técnicos, e sua finalização passou muito longe do travessão.

FICHA TÉCNICA:

INTERNACIONAL 1 x 0 PALMEIRAS

INTERNACIONAL – Muriel; William, Paulão, Rever e Artur; Nilton, Rodrigo Dourado, D’Alessandro (Alex) e Vitinho; Eduardo Sasha (Lizandro López) e Valdivia (Taiberson). Técnico: Argel Fucks.

PALMEIRAS – Fernando Prass; João Pedro, Leandro Almeida, Vitor Hugo e João Paulo (Mouche); Andrei (Allione), Thiago Santos, Zé Roberto e Rafael Marques; Cristaldo e Alecsandro (Jackson). Técnico: Marcelo Oliveira.

GOL – Nilton, aos 19 minutos do primeiro tempo.

CARTÕES AMARELOS – Artur, D’Alessandro, Rever e Paulão (Internacional); Vitor Hugo e Allione (Palmeiras).

CARTÕES VERMELHOS – Nilton (Internacional); Leandro Almeida (Palmeiras).

ÁRBITRO – Wagner Reway (MT).

RENDA – R$ 320.630,00.

PÚBLICO – 13.690 pagantes.

LOCAL – Estádio Beira-Rio, em Porto Alegre (RS).