Com o pensamento voltado para a Copa Libertadores, o Palmeiras enfrenta a Ponte Preta neste domingo, às 16 horas, no estádio Moisés Lucarelli, em Campinas, pela 17.ª e antepenúltima rodada do Campeonato Paulista, com o intuito de manter o clima e a confiança no alto. Além disso, o time comandado pelo técnico Gilson Kleina pode garantir a classificação antecipada para as quartas de final com uma vitória.

Mas para conseguir atingir tal objetivo, o time alviverde terá de superar muitas barreiras. A primeira delas é o fato de o time campineiro ser o único invicto no Paulistão. Além disso, como tem um decisivo jogo contra o Libertad, na próxima quinta-feira, Gilson Kleina decidiu poupar alguns titulares.

E o treinador é o grande protagonista do jogo deste domingo. Será a primeira vez que ele enfrenta a Ponte Preta em Campinas desde que deixou o clube, em setembro do ano passado, e a torcida ponte-pretana promete um grande protesto contra o treinador, que na visão deles, teria abandonado o time. “A minha gratidão pela Ponte é grande, mas a torcida acha que eu abandonei o clube. Não foi assim. Conversei com a diretoria para sair, mas entendo a lamentação do torcedor”, disse o treinador, já esperando por uma chuva de moedas.

Tanto que a diretoria da Ponte Preta publicou no site do clube um comunicado pedindo para não haver nenhuma atitude mais violenta, pois o clube pode ser penalizado pela Federação Paulista de Futebol (FPF).

Em relação ao time, Gilson Kleina não antecipou a escalação, mas alguns titulares é certo que serão poupados – casos de Ayrton, Maurício Ramos, Marcelo Oliveira, Márcio Araújo, Charles, Wesley e Caio. Entram ainda na lista dos ausentes, todos machucados, Henrique, Valdivia, Patrick Vieira, Maikon Leite e Kléber. Quem pode reforçar a equipe é o atacante Leandro. Tudo depende de como ele vai voltar da viagem com a seleção brasileira, que enfrentou a Bolívia neste sábado.