O confronto deste domingo no estádio Olímpico, às 18h30, entre Grêmio e Palmeiras, pode até não valer muita coisa para o Campeonato Brasileiro, que ainda está na segunda rodada, mas é de enorme valia para o que vem a seguir: os dois times se enfrentam na semifinal da Copa do Brasil e o jogo deste fim de semana já servirá para eles se estudarem.

Apesar de as equipes dizerem que o foco atual é nesta partida, chega a ser impossível não pensar na outra competição. Empolgado por chegar a uma semifinal da Copa do Brasil após 13 anos, o Palmeiras vê chance real de acabar com uma desconfiança que vem há anos.

“Agora estamos perto do título e, se possível, queremos fazer história aqui”, disse Maikon Leite, que entrou bem contra o Atlético Paranaense no último jogo, mas deve continuar na reserva – Luan é o favorito para assumir vaga ao lado de Barcos no ataque.

Enquanto o Grêmio terá alguns desfalques, como Kleber (ainda se recupera de cirurgia no tornozelo) e outros quatro machucados (Werley, Marquinhos, Bertoglio e Edilson), o Palmeiras deve ter apenas uma baixa, o meia Daniel Carvalho, lesionado. Valdivia, que já avisou que não jogaria duas vezes por semana, fará um esforço agora para reforçar o meio-campo, pois sabe que terá tempo para se recuperar depois – o próximo jogo só será daqui dez dias.

Grêmio e Palmeiras prometem fazer um jogo aberto, já que buscam a primeira vitória no Brasileirão – enquanto os gaúchos perderam para o Vasco, os visitantes ficaram no 1 a 1 com a Portuguesa, no Pacaembu.

De acordo com Luan, um tropeço agora será ruim para o restante da competição, mas a grande questão do jogo nem será o resultado em si. “Já vamos ver como é o time deles, para depois podermos trabalhar para a Copa do Brasil”, avisou. “As duas equipes vão ver o que o outro tem de bom”. O discurso foi repetido por Maikon Leite. “Esse jogo vai ser uma prévia dos próximos. As equipes já vão se testar agora”.

DUELO NO BANCO – O desafio no Sul marca mais além de um simples Grêmio x Palmeiras. Dois dos maiores treinadores da atualidade vão se encontrar e, em comum, podem dizer que já foram vitoriosos no time alviverde. E Felipão, no caso, também fez história no Olímpico. “Sou recebido maravilhosamente bem lá (em Porto Alegre). E vamos nos encontrar e conversar”, disse o palmeirense sobre Vanderlei Luxemburgo. “Acho que na história do Palmeiras, Vanderlei e eu somos dois técnicos dos mais vencedores”.