Salvador – O estilo “frio” e sem vibração do técnico Oswaldo de Oliveira não criou uma empatia com a torcida do Vitória desde que ele chegou no clube para substituir Agnaldo Liz. O Vitória havia sido eliminado da Copa do Brasil, mas se mantinha em 10.º na tabela de classificação do Brasileiro. Contudo, a diretoria decidiu trocar o “inexperiente” Agnaldo Liz, que havia levado o time ao tricampeonato baiano, pela experiência comprovada de Oswaldo.

Quando os resultados teimavam em não aparecer, o treinador passou a ser hostilizado pelos torcedores. As resposta curtas e irônicas para os repórteres de rádio e televisão após as sucessivas derrotas aumentaram o clima de insatisfação contra Oswaldo. Ele era acusado de escalar mal e não orientar o time, que chegou a ficar na vice-liderança do brasileiro nas primeiras rodadas.

Na partida de anteontem à noite, por exemplo, quando o time foi goleado pelo Paraná, ninguém entendeu porque ele escalou o jovem Gilmar no ataque para substituir Edílson, que não atuou por uma contusão, quando dispunha do veterano Alan Delon. Amigo do volante Vampeta, acabou tirando-o do time devido a problemas físicos. O jogador, que já estava insatisfeito no Vitória, pediu rescisão do contrato e deixou o clube. Oswaldo pegou o Vitória na 10.ª colocação e deixou na 17.ª à beira da zona de rebaixamento.