Oscar Schmidt foi indicado nesta segunda-feira para o Hall da Fama do Naismith Memorial Basketball, dos Estados Unidos. O ex-jogador é um dos 30 relacionados para integrar a seleta lista de grandes jogadores do basquete mundial.

O Hall da Fama americano, mais antigo que o da Federação Internacional de Basquete (Fiba), já conta com outros dois brasileiros: o ex-pivô Ubiratan Maciel, campeão mundial em 1963, e Hortência Marcari, campeã mundial na Austrália (1994) e atual diretora da Confederação Brasileira de Basquete.

“É uma indicação mais do que merecida para um atleta que sempre honrou e defendeu a camisa da seleção brasileira durante 19 anos e esteve presente em cinco edições dos Jogos Olímpicos. Vamos ficar na torcida para que ele consiga ingressar no Hall da Fama do Naismith Memorial”, afirmou o presidente da CBB, Carlos Nunes.

Aposentado desde 2003, Oscar Schmidt já integra o Hall da Fama da Fiba desde 2006. No mesmo ano, o brasileiro foi citado pelo Hall da Fama dos Estados Unidos como um dos 100 maiores jogadores da história. Ele foi um dos 5 jogadores não americanos incluídos na relação.

Antes de ser integrado à entidade, Oscar vai passar por uma série de avaliações de uma comissão de júris, responsável por avaliar o currículo dos indicados. Na primeira, receberá o resultado na semana do All-Star Game, em fevereiro. Se aprovado, será submetido a nova avaliação, a ter seu veredicto anunciado em abril.

Oscar, de 54 anos, se destacou no basquete mundial através da seleção brasileira, na qual atuou entre os anos de 1977 e 1996. Foram 326 partidas oficiais e 7.693 pontos. Entre as principais conquistas estão a medalha de bronze no Mundial das Filipinas, em 1978, e a de ouro nos Jogos Pan-Americanos de Indianápolis, em 1987.