O Operário de Ponta Grossa se despediu da Copa do Brasil logo na partida de estreia. Repleto de desfalques, o Fantasma chegou a manter o equilíbrio durante parte do jogo, mas não suportou os contragolpes do Juventude-RS e acabou derrotado por 4 x 0. Com o placar da noite de ontem, no Germano Kruger, não haverá partida de volta em Caxias do Sul.

Logo nos primeiros minutos, após cobrança de escanteio feita por Ceará, Baiano ficou perto de abrir o marcador pro Operário. No entanto, o arremate passou perto da trave do goleiro do Juventude. A partida foi equilibrada durante toda etapa inicial, com oportunidades para os dois lados. Porém, uma bobeira na saída de jogo do Fantasma e um lance muito questionado em Ponta Grossa acabaram sendo definitivos para que os gaúchos abrissem dois gols de diferença.

O primeiro gol ocorreu aos 34 minutos, depois que Elder Granja lançou Jonatas Belusso, com o atacante do time gaúcho abrindo a contagem depois de dividida com o goleiro Silvio. Cinco minutos depois, quando a zaga do Operário parou reclamando de imped. Em busca de reação, o técnico do Alvinegro, Lio Evaristo, chegou a apostar em uma postura ofensiva, promovendo as entradas de Osmar, Marcelinho e Jocian. No início do segundo tempo, os dois times voltaram a se igualar em . Em busca de reação, o técnico do Alvinegro, Lio Evaristo, chegou a apostar em uma postura ofensiva, promovendo as entradas de Osmar, Marcelinho e Jocian. No início do segundo tempo, os dois times voltaram a se igualar em oportunidades, com o Operário se mandando pra cima e acertando bola na trave. No entanto, os contragolpes foram definitivos pro Juventude. Aos 25 minutos, a rede balançou pela terceira vez e o único paranaense a comemorar vestia verde e branco. Jonatas Belusso dessa vez chutou cruzado e Leo Maringá marcou.

O quarto veio aos 31, em cobrança de pênalti. Jonatas Belusso cobrou, fez o seu terceiro e acabou com a esperança operariana de se reabilitar na Copa do Brasil no ano do centenário.