A imagem tomou conta do País desde a tarde do domingo (17). Se você não viu, certamente ficou sabendo. Foi no clássico Atlético-MG 3×2 América-MG, no Mineirão. Tem a ver com o jovem Alerrandro, herói da vitória do Galo. E de como andamos lidando com o futebol e com a vida.

Antes de seguir, eis as imagens, que são do GloboEsporte.com:

Viu?

E foi logo com Alerrandro, que disse, ao sair do gramado, que comemorou o gol como Luan fizera em 2014, quando o meia já defendia o Atlético-MG e o atacante era uma criança, como esta que chorou por ter a camisa arrancada por um bando de idiotas.

+ Confira as principais notícias do Athletico

Cenas como essa podem ser raras, mas situações de intolerância, nos mais amplos sentidos, são vistas toda hora nos estádios. Desde os ridículos gritos de “bicha” para os goleiros até o assédio a torcedoras. E as crianças sofrem mais.

+ Saiba tudo sobre o Coritiba

Neste mesmo final de semana, no clássico São Paulo 0x1 Palmeiras, no Pacaembu, um senhor quis brigar com uma criança porque ela teria comemorado o gol palmeirense. Vamos pro vídeo, publicado pelo jornalista Allan Simon:

Dois atos de tantos, com a diferença de terem sido filmados. Ameaças, ataques, agressões – a gente sabe que tudo isso acontece nos estádios. E quantos “homens de bem” proferem as maiores barbaridades só porque estão torcendo por um time?

+ Veja as notícias do Paraná Clube

Os mesmos que bradam pelo fim da corrupção – de um lado ou de outro – são aqueles que dizem que “o futebol é um mundo à parte”, em que poderiam conviver homofobia, racismo, misoginia e ataques a menores e idosos porque é “apenas um jogo”. Não.

Tá na hora de refletirmos de verdade sobre o futebol que queremos pro futuro. E não falo do que acontece em campo, mas sim do que vamos apresentar para os nossos filhos e netos. É isso que queremos? É isso que pretendemos ensinar para as crianças? Que eles podem ser preconceituosos, ou que eles precisam aceitar o preconceito “só porque é um jogo”? Que aceitamos agressões (das verbais às físicas) só porque “são do nosso lado”? Que não aceitamos o outro lado? Que não somos tolerantes?

+ Confira a classificação completa e a tabela da Taça Dirceu Krüger

Às vezes tenho receio de acreditar que a maioria pensa assim mesmo. Se não for a maioria, pelo menos são aqueles que falam – e que adoram usar as redes sociais para destilar ódio. E que, querendo ou não, estão ganhando nessa disputa, pois cada vez somos menos tolerantes.

Quando Pelé disse “pensem nas criancinhas”, há 50 anos, todo mundo achou populismo. Esse tempo todo passou e continuamos a não pensar nelas.

+ APP da Tribuna: as notícias de Curitiba e região e do Trio de Ferro com muita agilidade e sem pesar na memória do seu celular. Baixe agora e experimente!