Dificuldades para se adaptar
com apenas dois pedais.

São Paulo – A estréia de Nelsinho Piquet num carro de Fórmula 1 não foi das mais alvissareiras, para quem esperava logo de cara recordes e tempos competitivos. Nem poderia ser, dadas as características atuais dos carros da categoria, diferentes de tudo que se usa em outras fórmulas. O piloto, de 18 anos, completou 64 voltas com um Williams FW25 em Jerez de La Frontera, na Espanha, e seu melhor tempo foi 3s pior que a volta mais rápida do dia no circuito, de Ralf Schumacher ? dez anos mais velho, e 115 GPs mais experiente.

“A sensação de velocidade é incrível e o carro tem uma tecnologia inacreditável”, disse Nelsinho. Campeão sul-americano de F-3 no ano passado, nesta temporada ele foi 3.º no inglês da categoria.

Nelsinho teve de se adaptar a um carro que tem apenas dois pedais, o direito para acelerar e o esquerdo para frear. As marchas são trocadas com borboletas atrás do volante, e não numa alavanca junto ao cockpit. “Isso é legal, pilotar sem tirar as mãos da direção”, continuou Piquet. A falta do pedal de embreagem não atrapalhou. “Com isso achei que ia demorar mais para me acostumar.” Por fim, foi também sua primeira experiência com os pneus sulcados, exclusivos da F-1.

O piloto chegou a rodar na parte da manhã, depois de 20 voltas, parando na brita. No final do dia, falou que achou o carro “mais fácil de guiar que um F-3000”, modelo que testou mês passado na mesma pista, para conhecer o traçado. Seu melhor tempo foi cronometrado em 1min20s453, contra 1min17s453 de Ralf e 1min18s326 de Marc Gené, piloto oficial de testes da Williams.

Hoje a equipe testa Nico Rosberg, filho de outro campeão, Keke Rosberg.