enkontra.com
Fechar busca

De Letra

Natação brasileira volta otimista após o Mundial

A seleção brasileira de natação chegou nesta terça-feira ao Brasil, procedente de Barcelona, após a disputa do Mundial de Esportes Aquáticos, com mais medalhas na bagagem, mais prestígio e com um discurso mais contundente.

O técnico-chefe da equipe, Alberto da Silva, não gostou de comentários que depreciaram alguns dos resultados em provas não olímpicas, como o ouro nos 50 metros borboleta de Cesar Cielo e o quarto lugar de Etiene Medeiros nos 50 metros costas (melhor resultado da história da natação feminina brasileira). Já faz algum tempo que o Brasil se destaca nessas provas – no Mundial de 2011, duas das três medalhas de ouro conquistadas em piscina foram obtidas em provas não olímpicas.

“Vamos parar com essa hipocrisia. A gente não é tão bobinho assim para não saber quais são e quais não são as provas olímpicas. No Mundial, essas provas são disputadas e valem. Seria legal valorizarmos os resultados dos brasileiros”, disse Albertinho. Na Olimpíada, a única prova de 50 metros que faz parte do programa é a do nado livre.

Pouco tempo depois, no decorrer da entrevista concedida no Sesi, em São Paulo, Albertinho admitiu que a natação brasileira, de fato, encontra mais aptidão nas provas mais curtas. “Talvez o caminho mais fácil para nós tenha sido as provas de 50 metros. As de 200 metros são complicadas do ponto de vista estratégico. Hoje, no nível em que está a natação internacional, pode-se considerar que são provas de velocidade, mas o nadador precisa dosar porque pode não aguentar no final”, avaliou o técnico.

Alguns países fazem apostas bem-sucedidas em outras provas do programa. O Japão, por exemplo, praticamente não trabalha as provas de 50 metros, que exigem maior explosão muscular, devido ao biotipo de seus atletas. Mas nas provas de 200 metros e 400 metros, é comum encontrar dois japoneses nas finais.

De qualquer forma, a evolução dos resultados nos últimos dois anos foi evidente, ao menos no número de medalhas. No Mundial de Xangai, em 2011, o Brasil conquistou quatro medalhas, todas de ouro. Em Barcelona, a delegação obteve um ouro a menos, mas o total de pódios se elevou a dez.

E a perspectiva para o Mundial de Kazan, em 2015, na Rússia, é até melhor, segundo os treinadores. Ao menos um pódio, espera-se, pode vir do esforço feminino, o que seria inédito. Depois de muitos anos de malogros, a Confederação Brasileira de Desportos Aquáticos (CBDA) finalmente chegou à conclusão de que a natação feminina precisava de um treinador-chefe exclusivo.

A nomeação de Fernando Vanzella, segundo Etiene, foi um verdadeiro achado. “Por dentro, acho que o Vanza é uma mulher. Ele tem uma coisa meiga de que necessitamos. É totalmente diferente do Albertinho, que tem um jeito mais ríspido e adequado para os homens”, disse a nadadora pernambucana, pedindo para não ser mal interpretada.

Barcelona serviu também para os brasileiros aumentarem seu grau de ambição. Thiago Pereira, que nunca havia conseguido uma medalha em Mundial de piscina olímpica (50 metros), colheu duas de bronze e agora já fala em superar o norte-americano Ryan Lochte, o maior adversário que Michael Phelps já teve. “Lochte é o cara a ser batido. Mas por que não posso sonhar com ouro?”, afirmou o brasileiro.

Siga a Tribuna do Paraná
e acompanhe mais novidades

Deixe um comentário

avatar
300

Seja o Primeiro a Comentar!


wpDiscuz

Últimas Notícias

Mais comentadas