São Paulo – A saída de Vágner Love do Palmeiras é inevitável, mas pode demorar ainda algum tempo, segundo informou ontem o presidente do clube, Mustafá Contursi. De acordo com o dirigente, a proposta de um grupo de empresários portugueses ainda não foi detalhada nem oficializada.

“Os números são bons, mas o Palmeiras quer por escrito detalhes do negócio”, explicou Mustafá. “Ou seja: quanto será exatamente a parte que caberá ao clube.”

A desconfiança de Mustafá se justifica, porque os portugueses deram apenas um número total a ser investido no negócio, o que pode significar também a quantia destinada aos salários do jogador, comissão de empresários, etc.

Vágner Love chegou ao Palmeiras pelas mãos do empresário Gilmar Rinaldi, que tem 40% dos direitos federativos do atacante. Os outros 60% pertencem ao clube.

Ocorre que o jogador trocou de procurador, passando a trabalhar com Cláudio Guadagno. Mustafá imagina que o novo empresário também vai querer uma participação monetária na venda de Vágner. Por isso, está preocupado com o desfecho da negociação.

O dirigente do Palmeiras esclareceu ainda que a proposta não chega aos US$ 10 milhões que estão sendo divulgados. “É um montante considerável, mas não chega a tanto. Mesmo assim, fica praticamente impossível impedir a saída do jogador. Aliás, não só o Palmeiras. Qualquer clube brasileiro.”

Mustafá está até feliz com esse atraso nas negociações. O dirigente tem esperança de segurar o jogador pelo menos até o final da Copa do Brasil.