O técnico do Santos, Muricy Ramalho, não gostou da indicação do árbitro Sandro Meira Ricci para apitar o jogo contra o Internacional, na quarta-feira, no Beira-Rio, pela Copa Libertadores da América. O juiz ganhou, em novembro do ano passado, um processo contra Neymar e terá a oportunidade de reencontrar o atacante pela primeira vez após a polêmica.

“Acho inoportuna sua escalação. Apesar de ser um juiz correto, um dos melhores do Brasil, existem coisas que podemos evitar. Existe tantos juízes bons sem problemas com Inter e com o Santos. Por que não evitar?”, reclamou o treinador, no último domingo, depois da vitória por 2 a 0 sobre a Portuguesa, pelo Campeonato Paulista.

O árbitro processou o jogador após Neymar ofendê-lo via Twitter após o jogo contra o Atlético-GO, pelo Campeonato Brasileiro. Irritado com a marcação de um pênalti cometido por Edu Dracena, o atacante escreveu: “Juiz ladrão, vai sair de camburão”. Logo em seguida, ele apagou a mensagem e os advogados do atleta afirmaram que a mesma foi postada por um amigo dele. Pelo processo, Ricci ganhou R$ 15 mil de indenização.

Já ao falar do desempenho dos reservas do Santos na vitória sobre a Portuguesa, Muricy disse que o jogo serviu como uma espécie de vestibular para os jogadores que pretendem seguir no elenco do time em um futuro próximo. E ele aproveitou para mandar um recado ao meia Felipe Anderson, titular diante da Lusa. O jovem foi elogiado por sua atuação no clássico, mas o comandante quer mais regularidade do atleta, visto como uma promessa na Vila Belmiro.

“Ouço que ele é uma das nossas esperanças, só que está muito na esperança. Falam que o Felipe é muito bom, mas bom onde, meu filho?”, disse o comandante, para depois completar: “Todo mundo fala que ele é bom, mas não estou vendo isso. Ele é rápido, bate duro na bola, é inteligente e forte fisicamente, mas usa isso de vez em quando. Assim não dá, tem que ser mais, como foi hoje (domingo)”.