O Mundial de Esportes Aquáticos terminou neste domingo com 43 recordes quebrados na natação. A marca é a maior da história da competição. Se Felipe França perdeu o recorde mundial e a final dos 50 metros peito para o sul-africano Cameron Van Der Burgh, o Brasil não deixou Roma sem ter um recordista. César Cielo nadou os 100 metros livre com 46s91, superando o tempo de 47s05, registrado anteriormente pelo australiano Eamon Sullivan.

Neste domingo, foram obtidas mais quatro marcas mundiais. Os Estados Unidos levaram a medalha de ouro no revezamento 4×100 metros medley. A equipe formada por Michael Phelps, Aaron Peirsol, Eric Shanteau e David Walter quebrou o recorde mundial, que já lhe pertencia (fez 3min29s34 no ano passado), ao cravar o tempo de 3min27s28.

A alemã Britta Steffen bateu o recorde dos 50 metros livre e conquistou a medalha de ouro da prova com o tempo de 23s73, seguida pela sueca Therese Alshammar (23s88). O recorde anterior era da holandesa Marleen Veldhuis, com 23s96, registrado no dia 19 de abril. Ela terminou a final em terceiro lugar.

A russa Yuliya Efimova quebrou o recorde mundial dos 50 metros peito ao vencer a final da prova em Roma com o tempo de 30s09, seguida pela norte-americana Rebecca Soni (30s11) e pela australiana Sarah Katsoulis (30s16). O recorde pertencia a canadense Amanda Reason, que terminou a prova em sétimo lugar. Ela tinha nadado a distância em 30s23 no dia 8 de julho.

A britânica Liam Tancock melhorou o seu recorde mundial do 50 metros costas, registrado nas semifinais em Roma. Ela conquistou a medalha de ouro com o tempo de 24s04. Tamcock havia nadado no dia 1.º de agosto em 24s08.