O Campeonato Paranaense chega à última rodada da primeira fase reservando emoção a quase todos os times. Exceção ao Toledo, que já está garantido na última colocação e no Torneio da Morte, as outras onze equipes ainda brigam por algum objetivo. Até mesmo Coritiba e Maringá, que já estão classificados, ainda lutam pela liderança, ou na pior das hipóteses, pela vantagem nas quartas de final. Desta forma, nenhuma partida no domingo será apenas para cumprir tabela.

A classificação está tão embolada, que a maioria dos clubes podem tanto chegar à ponta da tabela, quanto terminarem no Torneio da Morte. Para a liderança, a matemática do campeonato é mais complexa, uma vez que, tirando o Coxa, que depende apenas das próprias forças, os demais têm que fazer o dever de casa e ainda torcer por combinações de resultados. Mesmo assim, até o Rio Branco, que atualmente é o sétimo colocado, pode chegar à liderança. No entanto, para apenas terminarem no G-8, dos nove times que ainda sonham com uma das seis vagas restantes, sete dependem apenas de si para chegar lá.

No caso de Atlético, Paraná, J. Malucelli, Prudentópolis e Rio Branco, a situação fica ainda um pouco mais fácil, uma vez que um empate serve para que os cinco terminem domingo já projetando o caminho em busca do título estadual. Londrina e Cianorte precisam apenas ganhar de Coritiba e Prudentópolis, respectivamente. Já Operário e Arapongas terão que ganhar e depender dos adversários para escapar da briga contra a degola.

Entre os que ainda não carimbaram suas vagas, Furacão, Tricolor e Jotinha, seguem em uma situação mais confortável, pelo fato de terem saldo de gols positivo e o Prudentópolis e o Leão da Estradinha terem saldo negativos. Porém, se alguém do trio da capital sofrer uma goleada histórica, pode terminar no Torneio da Morte, mesmo que as equipes do interior e do litoral também percam. Um exemplo mais radical é o Rubro-negro, que se perder o clássico por dez gols de diferença pode ser ultrapassado em caso de derrota do Prude para o Leão do Vale por um gol. O mesmo vale para o Paraná e para o Jota, desde que percam por oito e seis gols, respectivamente.

Ou seja, apenas um desastre tiraria um dos três clubes da próxima fase, mas em meio a um equilíbrio total na competição, o Paranaense de 2014 vem mostrando que nada é impossível. Até o Arapongas, que precisaria golear o Toledo e torcer por derrotas de Tubarão, Leão do Vale e Fantasma, não deve deixar de acreditar.