Buenos Aires – O treinador Francis Cornejo, que descobriu o craque Diego Maradona, morreu nesta sexta-feira (14) em Buenos Aires aos 76 anos de idade.

Cornejo estava internado há uma semana, e morreu na madrugada desta sexta-feira, informaram familiares a jornalistas da rede de televisão Todo Noticias (TN).

O técnico acompanhou Maradona desde seus primeiros passos — quando jogava na categoria infantil, nos célebres "Cebollitas", uma equipe do clube Argentinos Juniors, e assombrava com sua habilidade de malabarista o mundo do futebol local.

Cornejos está sendo velado na sede do Argentinos Juniors.

O técnico descobriu Maradona quando o astro fazia testes para a equipe, em 5 de dezembro de 1970. Sereno, ele soube orientar a ascensão de Maradona, que se tornou a grande atração da equipe que, entre 1970 e 1976, brilhou nos então famosos Torneios Juvenis Evita.

A equipe encabeçada por Maradona, o futuro capitão da seleção argentina, permaneceu invicta durante 136 partidas, com Cornejo como treinador. Como Maradona era "talentoso demais" para as crianças — mesmo sendo o mais novo do time — e temido pelos rivais, Cornejo se valia do expediente de "mudar" seu sobrenome em partidas decisivas.

Assim, por exemplo, em uma partida com o Boca Juniors — clube em que Maradona seria, mais tarde, campeão profissional pela primeira vez –, Cornejo o inscreveu como "Montanya". O Argentinos perdia de 3×0 quando o técnico mandou Diego a campo, que em seguida fez um gol, outro e  finalmente o de empate.

Quando seus companheiros gritaram "Grande Diego!", o técnico rival se deu conta do engano e se irritou com Cornejo, que se comprometera a não escalar Maradona devido ao abissal desequilíbrio que ele provocava em campo.