Montoya chegou ao clube há menos de uma semana. Mesmo sem ritmo de jogo, já foi relacionado para o jogo contra a Ponte Preta. “Estou muito feliz com essa oportunidade. Espero ajudar o Paraná a subir na tabela”, disse o jogador.

Novato, viu um grupo unido e disposto a reverter o quadro ruim em que o Tricolor se encontra. “Todos estão se cobrando. E muito. Isso é importante, pois é um elenco que tem ambição”, comentou.

O jogador de 23 anos estava no Barueri e não vinha atuando em jogos oficiais. “Estava só treinando e disputando amistosos. Mas, estou pronto. A falta de ritmo a gente supera na garra, que é maior do que qualquer dificuldade”, disse.

Paranaense de Dois Vizinhos, Montoya ganhou o apelido na adolescência, jogando em sua cidade natal.

“Eu raspava o cabelo e tinha uma ligeira semelhança com o piloto da Fórmula 1. E, como meu sobrenome é Muttoni, facilitou. Mesmo não tendo nada a ver, acabou pegando”.

Montoya revelou que até tentou mudar e usar seu nome de batismo (Rodrigo). “Não teve jeito. O Montoya pegou e segue até hoje”.

O zagueiro está vinculado ao Cianorte, seu primeiro clube profissional, e vem por empréstimo até o fim do ano. “Quero ajudar. O Paraná é um clube grande e que precisa estar brigando na ponta de cima da tabela. Temos que buscar isso”, arrematou.