Desapontado com a falta de apoio em seu próprio país, o pugilista Acelino “Popó” Freitas recebeu ontem a promessa de que o Ministério do Esporte irá lutar para lhe arranjar um patrocinador. Durante encontro com o ministro Agnelo Queiroz, em Brasília, o campeão mundial dos superpenas pela Organização e pela Associação Mundial de Boxe se comprometeu a participar do programa Fome Zero, principal projeto do governo Lula.

Em entrevista à Agência Estado, Popó chegou a dizer que não representaria mais o Brasil. “Estou cansado de lutar pela pátria e não ter nenhum reconhecimento. Estou há um ano sem patrocínio e, a partir de agora, lutarei profissionalmente, buscando o melhor para mim e minha família, que depende de mim” afirmou o pugilista no último dia 10.

O desabafo de Popó comoveu o ministro do Esporte, que o chamou para o encontro desta sexta-feira. Agnelo Queiroz prometeu incluir o pugilista na lista dos desportistas que serão beneficiados pela nova política de patrocínios em discussão no governo.

“Ele (Popó) tem uma importância para o esporte brasileiro e para a sociedade”, justificou o ministro. Em retribuição à ajuda, o campeão mundial adiantou que irá doar o primeiro mês do patrocínio, caso ele consiga mesmo, ao Fome Zero. Ele também se ofereceu para participar da divulgação do programa. “Quero poder ajudar o governo.”

Depois do encontro com o ministro, Popó embarcou direto para Salvador. No próximo dia 5, ele viaja para Porto Rico, terra do seu técnico Oscar Suarez, onde fará a preparação final para a sua luta de 15 de março, nos Estados Unidos, contra o mexicano Gabriel Ruelas.