Líder do Circuito Mundial de Surfe, o brasileiro Adriano de Souza, o Mineirinho, avançou diretamente para a terceira fase da etapa de Trestles, nesta quarta-feira, ao superar em sua bateria o taitiano Michel Bourez e o norte-americano Ian Crane no primeiro dia de disputas da oitava etapa da temporada, que está sendo disputada na Califórnia. “Estou feliz em vencer a primeira bateria, mas tem muitas ainda pela frente, esse foi só o passo inicial”, afirmou o surfista.

Mineirinho lidera o ranking com 34.950 pontos, à frente dos australianos Mick Fanning e Owen Wright, que também evitaram a repescagem vencendo suas baterias. Dos oito primeiros do ranking, todos avançaram diretamente à terceira fase, com exceção do brasileiro Filipe Toledo e do australiano Josh Kerr.

Até por isso, Mineirinho sabe que a disputa será acirrada até o final e só espera manter o bom ritmo para não ser eliminado precocemente na etapa. “Estou vivendo um sonho, estou muito entusiasmado, ainda mais depois que o Gabriel [Medina] foi campeão do mundo. Eu acredito no meu potencial, mas sei que ainda preciso trabalhar muito”, explicou.

Entre os brasileiros, além de Mineirinho, Ítalo Ferreira também brilhou e se classificou em uma bateria que tinha John John Florence. “Comecei um pouco devagar na bateria, mas depois de dez minutos peguei duas boas ondas e estou bem feliz de passar à terceira fase. O John John é sempre um adversário complicado, pois é um excelente surfista, que faz ótimas manobras”, disse.

Na repescagem o Brasil terá Filipe Toledo, Jadson André, Tomas Hermes, Miguel Pupo, Wiggolly Dantas e Gabriel Medina, que mesmo tendo uma ótima exibição, ficou atrás do havaiano Fred Patacchia. Tanto que com os 17,50 pontos que fez, o brasileiro teria vencido qualquer outra bateria, mas ficou atrás de Patacchia porque o rival arrancou uma nota dez e somou 18,90 pontos.

Curiosamente, o havaiano revelou ao final da disputa que estava se aposentando naquele momento. Ele foi bastante ovacionado por todos os atletas e torcedores. “Foi um prazer competir com o Medina e o Bede Durbidge. Eu preciso diminuir o ritmo, tenho muito tempo no circuito. Eu tive meu tempo, vivi os sonhos e não vou surfar na próxima fase”, avisou, na despedida em sua 11ª temporada.

Ele até tentou fazer uma interferência na onda de Medina, para ser eliminado e não atrapalhar os adversários. Mas não tinha percebido que a prioridade era sua. Com isso, na terceira fase, algum surfista vai se dar bem na montagem da chave e avançará sem entrar no mar.

“É uma situação única, mas o regulamento é claro. Ele não participará e quem cair contra ele, vai direto para a quarta fase. Com isso, teremos apenas 11 baterias na terceira fase”, avisou Renato Hickel, diretor da Liga Mundial de Surfe. A definição do felizardo só sairá após a disputa da repescagem.