Adriano de Souza, o Mineirinho, está firme na briga pelo título mundial de surfe e vai a partir desta terça-feira, quando começa a décima e penúltima etapa do Circuito, em Peniche (Portugal), tentar tirar a diferença de pontos para o líder Mick Fanning, da Austrália. Ele está a apenas 450 pontos e só precisa ficar à frente do rival na etapa para chegar ao Havaí dependendo apenas das próprias forças para a conquista inédita.

O atleta venceu a competição em Portugal em 2011 e tem ótimas recordações do local. “Gosto muito de lá e espero continuar com esse ritmo apresentado nas últimas etapas, quando passei para as semifinais. Só que dessa vez quero vencer, estou com saudade e cairia em uma ótima hora”, avisa.

A janela de espera para a realização do campeonato em Supertubos vai de terça até o dia 31. Além de Mineirinho, outros oito brasileiros estão na disputa: Gabriel Medina, Filipe Toledo, Italo Ferreira, Wiggolly Dantas, Jadson André, Miguel Pupo, Tomas Hermes e Caio Ibelli. Só Medina e Filipinho ainda têm chances de título mundial na temporada.

“No surfe nada pode ser descartado e, enquanto tiver chances matemáticas, você tenta até o fim. Acredito que eles estejam depositando suas esperanças nessas fichas, apesar de ambos saberem que será muito difícil”, explica Mineirinho, que tem uma boa vantagem em relação aos dois, mas sabe que não pode ser eliminado precocemente para não ver os adversários encostarem.

No ano passado, Gabriel Medina chegou em Peniche com a chance de ser campeão mundial antecipadamente, mas perdeu para Brett Simpson e viu Fanning ganhar a etapa e se aproximar. Desta vez, é o australiano que está em boas condições, podendo até ser campeão mundial pela quarta vez em Portugal. Para isso, precisa vencer e torcer para que Mineirinho não passe da terceira fase.

Mas o brasileiro não está disposto a deixar o experiente surfista comemorar. E se apega às ótimas memórias que tem da etapa. “Portugal foi um marco porque eu nunca tinha vencido um evento com ondas grandes e tubulares. O ano de 2011 foi o melhor que eu fiz até hoje. O título aqui mostrou a minha evolução e deixou claro que eu tinha chances de disputar de igual para igual com os grandes nomes, ainda mais em uma final contra o Kelly Slater.”

Na praia de Supertubos, a torcida fica bem próxima do local de competição e as ótimas ondas tubulares, tanto para a esquerda quanto para a direita, fazem a alegria dos surfistas. A cidade de Peniche recebe muitos turistas por causa do surfe e a etapa é bastante concorrida pelo público, principalmente aos finais de semana. A expectativa é de grande público.

É nesse cenário que os brasileiros vão tentar brilhar. A ótima temporada ajuda Mineirinho a esquecer a anterior, quando se contundiu e não disputou a etapa no Havaí. Para ele, a sensação é incrível. “Certamente é bem melhor que a dos últimos anos, quando estava fora da briga, e em relação ao ano passado, quando estive machucado. É uma ótima sensação poder estar tão perto na briga nesta reta final. Que continue assim e eu chegue em Pipeline em condições de sair campeão de lá.”

O surfista nunca escondeu que seu grande sonho é o título mundial e, desta vez, o mais experiente dos surfistas brasileiros da elite acha que o momento chegou. “Vim de um período difícil, com lesões e outros problemas, e consegui me manter calmo e dedicado. Venho trabalhando para isso há dez anos e acredito que estou no melhor do meu condicionamento, tanto físico quanto mental”, conclui o atleta, que vai encarar Kolohe Andino e Frederico Morais na primeira fase.