Rogério Micale gostou do rendimento da seleção olímpica no amistoso contra o Japão. Ele considerou que o time se comportou muito bem na vitória por 2 a 0 no último sábado, no Serra Dourada, na última partida da equipe antes do início dos Jogos do Rio.

“No todo, a partida me agradou. Além dos gols, tivemos boas oportunidades, bolas na trave… Acho que nós tivemos um domínio de posse de bola. Tivemos segurança no setor defensivo, isso é importante. Você tenta propor o jogo, jogar com linha mais alta. Os zagueiros foram muito bem, não deram chance de contra-ataque. E a individualidade apareceu”, analisou.

Ele defendeu também a atuação de Neymar, que no segundo tempo abusou das jogadas individuais, complicando alguns ataques da equipe. “Não posso tirar dele o que tem de mais forte, que é gerar desequilíbrio na equipe adversária para colocar o companheiro numa situação melhor”, disse o treinador. “Como ele também está retornando de período de férias, está adquirindo ritmo de jogo, é natural que em alguns momentos não consiga executar aquilo que pensa. Neymar é um cara diferente.”

Mas apesar de considerar que a equipe foi equilibrada e teve segurança no setor defensivo, o treinador admitiu que, quando adotou o esquema com quatro atacantes – nos 16 minutos iniciais do segundo tempo – a situação complicou. “No momento dos quatro atacantes, eu acho que a gente pode melhorar. Podemos avançar um pouco. Criamos a linha de quatro ofensiva, mas no segundo momento perdíamos a posse de bola e mantínhamos linha de quatro à frente e ficamos vulneráveis em relação aos volantes, que tinham que se deslocar muito para fazer o primeiro combate. Isso gera cansaço que a gente não quer que aconteça.”

Por isso, nos dias de treino até a estreia na Olimpíada, Micale fará ajustes na equipe. “Sempre tem ajuste. A equipe entendeu o que fizemos na Granja (Comary). Mas vamos tratar internamente essas questões de ajuste.”