O revés foi uma tremenda ducha fria para o técnico Roberto Cavalo. A dura missão do treinador, agora, será recuperar o emocional de um grupo que não tem outra meta senão se garantir na Série B.

“Agora, temos que nos mobilizar para terminar essa temporada de uma forma digna”, admitiu Cavalo, que terá que buscar cinco vitórias em doze rodadas para se livrar da degola. “Sem dúvida, o emocional atrapalha muito. E, hoje, estão todos arrasados”.

O Paraná desmoronou com apenas 11 minutos do segundo tempo, quando Egídio fez o segundo do Figueirense. “Isso ficou muito claro. Perdemos o poder de grupo e se o adversário tivesse forçado, o desastre seria ainda pior”. Cavalo assumiu a culpa pela escalação de Gabriel, que durante a semana não treinou por conta de uma luxação no ombro esquerdo.

“Ele foi mal. Deveria ter colocado o Montoya. A culpa é minha”. Cavalo terá outras dores de cabeça pela frente. Afinal, o ataque paranista segue inoperante. “Chances foram criadas. Vamos ter que buscar soluções internas, pois já não se pode contratar”.