Mesmo preterido pelo técnico Jurgen Klinsmann, Landon Donovan, considerado o maior jogador da história da seleção de futebol dos Estados Unidos, ainda é importante para a equipe na disputa da Copa do Mundo. Em especial, para o companheiro de Los Angeles Galaxy, o zagueiro Omar Gonzalez, que está no Brasil e vem enfrentando problemas de lesão no joelho em seu primeiro Mundial.

De acordo com o defensor, que ficou de fora do primeiro jogo na fase de grupos, o veterano em Copa do Mundo – Donovan participou de três – se comunica constantemente com ele. Mesmo de Los Angeles, onde está comentando a competição por uma emissora de televisão, o maior artilheiro da seleção norte-americana vem dando apoio a Omar Gonzalez.

“Eu troco mensagens com Landon (Donovan)”, contou o zagueiro. “Ele está sendo muito bom pra mim, me dando conselhos, e é muito positivo tê-lo lá mesmo que só para comentar”, completou o atleta de 25 anos.

Desfalque na estreia, Omar Gonzalez conseguiu entrar no decorrer da segunda partida e, somente na última rodada da primeira fase, ganhou a vaga de titular. Ele se machucou no início de maio, em um jogo da liga norte-americana, e vinha, desde então, sendo substituído pelos zagueiros Geoff Cameron e Matt Besler.

“Para mim, ter ficado no banco de reservas nos dois primeiros jogos foi negativo. Você pode desanimar com isso, mas minha sorte é que tenho grandes pessoas ao meu redor”, revelou Omar Gonzalez.

A probabilidade de Omar Gonzalez começar entre os 11 titulares na partida pelas oitavas de final, contra a Bélgica, nesta terça-feira, em Salvador, é grande, mas não é garantida. No entanto, o jogador disse que já está feliz só pelo fato de estar em condições de ajudar o grupo em campo.

“Continuo dizendo para mim mesmo: ‘Uau, estou jogando uma Copa no Brasil'”, afirmou Omar Gonzalez. “Não acho que a ficha vai cair até que se passem algumas semanas e eu esteja em casa e tenha um tempo para sentar e refletir sobre essa experiência espetacular”, destacou.