Celso Pacheco/Folha de Londrina
Destaque do time, goleiro Luís Carlos acompanha o cruzamento: meninada ainda tem muito a aprender.

A garotada sentiu a pressão e não foi bem no vestibular da Vila. Ontem à tarde, no Estádio do Café, o Paraná foi derrotado por 3 a 2 pelo Londrina, na despedida do expressinho tricolor. Na próxima rodada, o time titular assume a briga pelo título, com apenas um ponto conquistado em duas partidas.

Se o dia era de prova final, os meninos voltaram para casa preocupados. O ?professores? Saulo de Freitas e Fernando Tonet ainda irão definir os aprovados para integrar o grupo principal. Mas é certo que a maioria vai ?repetir de ano? e permanecer por mais uma temporada na equipe de juniores.

Mesmo com o time tomando três gols em Londrina, dois defensores foram os destaques do Tricolor. O goleiro Luís Carlos e o zagueiro Ricardo Ehle impediram uma derrota mais pesada e certamente estarão entre os calouros da equipe titular.

O jogo começou em ritmo alucinante. Logo aos 3?, Ricardo Ehle recebeu no campo de defesa, avançou com a bola dominada e acertou um belo passe, que deixou Robson na cara do gol. O atacante só teve o trabalho de rolar para a rede.

O Paraná ainda comemorava quando o Tubarão deu o troco, 50 segundos depois. Diego dominou na área, a defesa deu espaço e ele tocou para Rafael Akai concluir: 1 a 1.

O Londrina partiu para o ?abafa? e chegou à virada aos 10?. Nem bateu falta da entrada da área, a bola desviou na barreira e sobrou para Rafael Akai marcar seu segundo gol no jogo e o terceiro no campeonato.

A reação fulminante poderia embalar o time da casa rumo a uma vitória incontestável. Principalmente porque o Tricolor não cansava de dar bobeira na marcação. Mas aos 15?, o lateral Alex Braz, do Tubarão, resolveu dar uma ajuda ao Paraná. Na frente do bandeira, ele agrediu Kléber Lapa sem bola e levou cartão vermelho.

O time da Vila foi para cima e não demorou para chegar ao empate. Aos 25?, Rafael tocou para Rodrigo Pimpão, que foi derrubado na área. Araújo bateu bem o pênalti: 2 a 2.

Mesmo com o Londrina jogando com um homem a menos, o técnico Jorge Saran partiu para o tudo ou nada. No intervalo, trocou o volante Lau pelo atacante Daniel e partiu com tudo para cima do Tricolor.

Era hora de o Paraná valorizar a posse de bola e aproveitar os espaços que o Londrina deixava na defesa para buscar os três pontos. Mas faltou maturidade aos meninos da Vila. Afobado, era o time tricolor que parecia em desvantagem. Até que aos 21 Pimpão foi expulso, após tomar o segundo amarelo, e o jogo ficou dez contra dez.

Aí foi a vez de Luís Carlos brilhar. Pelo menos cinco grandes defesas do goleiro tricolor seguraram o empate até os minutos finais. Mas o ataque não conseguia repetir o desempenho. Rodrigo e Léo Neves tiveram a chance de uma nova virada, mas perderam gols feitos, deixando a vitória escapar.

O castigo veio aos 41?. Numa cobrança de escanteio, a zaga paranista dormiu mais uma vez e o zagueiro Senegal subiu livre para marcar, de cabeça, o terceiro do Tubarão.

A derrota deixa o Paraná na 12.ª posição, com um ponto. A recuperação pode vir na próxima rodada, quando o Tricolor enfrenta o Toledo na estréia do time titular.

O jogo está marcado para a Vila Capanema, mas a data e o horário ainda não estão definidos. Quarta ou quinta-feira? A resposta deve ser dada hoje pela Federação. Coisas que só o Campeonato Paranaense faz pelo torcedor…

PARANAENSE 2008

1.ª fase  2.ª rodada

LONDRINA 3 x 2 PARANÁ

Londrina: Júnior; Alison, Senegal, Neto e Alex Braz; Oliveira, Lau (Daniel  int.), Allan e Diego Mineiro (Edinho  29? 2.º); Nem e Rafael Akai (Rodrigo  35? 2.º). Técnico: Joge Saran.

Paraná: Luís Carlos; Araújo, Ricardo Ehle, Douglas e Anderson; Kléber Lapa, Jamaika (Mello  36? 1.º), Thiaguinho (Hamilton  41? 2.º) e Rodrigo Pimpão; Rafael e Robson (Léo Neves  24? 2.º). Técnico: Fernando Tonet.

Gols: Robson (P), aos 3?; Rafael Akai (L), aos 4? e aos 10?, e Araújo (P – pênalti), aos 26? do 1.º tempo. Senegal (L), aos 41? do 2.º tempo.

Árbitro: José Ricardo Bigaski Stolle

Assistentes: Lídio dos Santos e Ubiratã Ferrari de Lima

Cartões amarelos: Douglas, Jamaika e Mello (P)

Cartões vermelhos: Alex Braz (L  14? 1.º), Rodrigo Pimpão (P  21? 2.º)

Local: Estádio do Café, em Londrina

Público: 5.063 (4.528 pagantes)

Renda: R$ 31.355,00

Com retorno de ?veteranos?, vestibular paranista terá poucos aprovados

Celso Pacheco/Folha de Londrina
Senegal (3) comemora gol da vitória do Londrina: faltou maturidade.

Conseguir um lugar no time titular não será nada fácil para os meninos da Vila. No vestibular paranista, a concorrência é grande e não faltam candidatos para cada uma das posições.

Depois da derrota para o Tubarão, o auxiliar técnico Fernando Tonet, que comandou a equipe, preferiu não ser muito incisivo nas críticas. ?Não há reprovados. Os meninos têm qualidade, mas em alguns momentos pecam pela imaturidade. Precisam de mais tempo para desenvolver o potencial que possuem. Vamos conversar com calma, para ver quais podem ser aproveitados?, avaliou.

Segundo Tonet, a comissão técnica quer trabalhar com um grupo de no máximo 28 jogadores. Dezenove participam da pré-temporada com o técnico Saulo de Freitas.

Dos que jogaram ontem, o goleiro Luís Carlos, o lateral Araújo e o zagueiro Ricardo Ehle, os mais experientes, já estariam garantidos, o que deixa apenas seis vagas abertas. Como alguns reforços ainda serão contratados, poucos lugares restarão para os garotos.

Se dentro de campo a maioria não correspondeu, pelo menos eles foram conscientes na hora de avaliar os erros. ?Não soubemos aproveitar as chances. Com um homem a mais, tivemos boas oportunidades de matar o jogo. Não conseguimos e acabamos tomando o gol no final?, reconheceu o volante Mello.

Ele é um dos que não devem ser aproveitados e pode deixar o clube no fim do mês. Os contratos de Mello, do volante Jamaika, e do meia Bruno Iotti e do atacante Hamilton terminam do próximo dia 31 e eles ainda não sabem se permanecerão na Vila.

Mas como a participação do ?expressinho? no estadual já ficou para trás, a torcida quer saber do time titular. ?Somar apenas um ponto, enquanto os rivais da capital já têm seis, nos deixa muito incomodados. Isso vai deixar os titulares um pouco mais pressionados, mas tenho plena confiança neles e no trabalho da comissão técnica?, conclui Tonet.