Apontada antes do início da Copa do Mundo como potencial surpresa no Grupo B, o Chile confirmou o prognóstico e se classificou de forma antecipada para as oitavas de final depois de vencer a atual campeã Espanha por 2 a 0, na última quarta-feira. Os sul-americanos enfrentarão agora a Holanda, nesta segunda em São Paulo, em duelo que define a liderança do grupo e que pode evitar um confronto contra o Brasil já na próxima fase.

O retrospecto contra o Brasil em Mundiais é assustador para o Chile. A equipe enfrentou a seleção brasileira nas semifinais de 1962, em casa, e nas oitavas de final de 1998 e 2010 e foi eliminada todas as vezes. Mas com a moral elevada após eliminarem a Espanha, os chilenos dizem não temer um jogo contra os donos da casa. “Nosso sucesso vai depender da nossa própria performance. O Brasil seria um oponente forte, mas a Espanha também foi e a Holanda certamente será. São times com muita história e jogadores espetaculares, mas eu não diria que queremos evitar o Brasil”, afirmou o meia Carlos Carmona.

Ainda assim, Carmona garantiu que os chilenos farão de tudo para vencer a Holanda, mesmo com as duas seleções já classificadas. “Eles são um grande time com bons jogadores em todos os setores. Nós temos que estar preparados, mas espero conseguir os três pontos que nos darão o primeiro lugar”, disse. “Nós já eliminamos os campeões mundiais em uma partida que entrou para a história do nosso país, o que não deve ser menosprezado”, relembrou.

Apesar de só ter entrado nos últimos minutos no duelo contra a Espanha, o jogador da Atalanta e da seleção chilena não se sente desprestigiado no elenco. Isto porque a filosofia de jogo do técnico Jorge Sampaoli, baseada em ataques velozes e pressão sobre atletas adversários, exige muito do físico dos atletas e torna importante ter peças de reposição à altura. “Nossos titulares são ótimos jogadores, mas quem vem do banco tem que manter uma boa performance, e todos no time são responsáveis por manter o nosso estilo de jogo baseado na pressão e velocidade”, explicou. “Espero que esta seja uma longa Copa do Mundo para o Chile, então todos têm que estar preparados”, completou.