A judoca Mayra Aguiar é campeã mundial e medalhista olímpica, mas sabe que falta um ouro nos Jogos Pan-Americanos em seu currículo. No Rio, em 2007, ela foi prata, e quatro anos depois ficou com o bronze em Guadalajara. Para a edição em Toronto, ela mostra confiança. “É minha terceira vez no Pan. É uma competição difícil para mim. Mas chego tranquila para competir bem”, diz.

Aos 23 anos, ela sabe que o Pan é como um mini Mundial, pois suas principais adversárias na categoria estão no continente. “Minhas principais adversárias são a canadense, que está em casa, a norte-americana, que é campeã olímpica, e a cubana, que é vice olímpica. Não será fácil”, acredita.

Para tentar superar as rivais, Mayra tem treinado muito forte com a equipe brasileira e vem estudando um pouco as adversárias. “Nós todas nos conhecemos muito bem, os golpes estão marcados. Então precisamos treinar alguma coisa para poder surpreender. Mas se é difícil fazer isso em treino, imagina numa luta”, diz.

A judoca sabe que o Brasil tem tudo para fazer um bom papel nos Jogos Pan-Americanos de Toronto e acredita não somente em suas atuações como do restante da seleção. “Vejo como um time muito vitorioso e que gosta de dividir a pressão”, conclui Mayra, que vive a expectativa de pisar no tatame do Pan.