Rio – Eleita pela Fifa como a melhor jogadora de futebol do mundo na segunda-feira, Marta recebeu ontem, em seu desembarque no Rio, uma demonstração do reconhecimento pelo feito. Em meio a sorrisos e lágrimas, ela foi saudada pelos torcedores no Aeroporto Internacional Tom Jobim, e se emocionou, principalmente, porque as manifestações espontâneas de carinho ocorreram no ?país do futebol masculino, não do feminino?.

?É muita coisa, sempre sonhei com isso, mas é muita emoção para mim. A ficha ainda não caiu?, disse Marta, que em 2004 terminou a eleição da Fifa em terceiro lugar e, no ano passado, foi a segunda colocada. ?Tive um bom desempenho em 2006 e achava que agora não tinha como escapar.?

Marta, de 20 anos, chegou ao Rio depois e receber o prêmio da Fifa na Suíça, e aguardou ansiosa pela conexão para Alagoas, onde vai descansar alguns dias em sua cidade natal, Dois Riachos. Na bagagem, além do troféu, trouxe a esperança de, com o título, sensibilizar os dirigentes brasileiros a investirem no futebol feminino no Brasil.

Mas a melhor jogadora do mundo foi realista e disse não se iludir com promessas. Lembrou que logo após a conquista da medalha de prata da seleção feminina nos Jogos Olímpicos de Atenas, em 2004, ?muitos? falaram que a modalidade deslancharia no Brasil e ?deu no que deu?.

Sobre o contato com Ronaldinho Gaúcho na mesma cerimônia da Fifa – o craque do Barcelona acabou como terceiro melhor jogador do mundo em 2006, atrás do francês Zidane e do italiano Cannavaro -, Marta contou que o consolou após a premiação. Ela revelou que o incentivou e até disse tê-lo como uma inspiração.

?O Ronaldinho já sabia o que iria acontecer. Falei a ele para seguir em frente e mostrar seu potencial?, declarou Marta. ?Sou fã dele e, às vezes, dizem que nosso futebol é parecido.?

Apesar de adorar o Brasil, Marta afirmou que tão cedo não volta para o País. Além do problema da falta de infra-estrutura, a jogadora contou estar bem adaptada na Suécia, onde há dois anos defende o Umea. ?Sair de lá só se for para outro clube europeu?, explicou. Em 2006, Marta foi campeã e artilheira – 14 gols – do Campeonato Sul-Americano Sub-19 do Chile, defendendo a seleção brasileira. Na próxima temporada, o objetivo é ganhar a Copa do Mundo, prevista para ser disputada em setembro, na China.