A brasileira Marta, apontada como uma das maiores jogadoras da história do futebol feminino, foi nomeada como embaixadora da boa vontade da Organização das Nações Unidas (ONU) na luta contra a pobreza. O anúncio foi feito nesta segunda-feira pelo Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) em Estocolmo.

Marta recordou sua infância no Brasil, onde foi criada em um ambiente de pobreza. “Estou muito emocionada e entusiasmada”, declarou Marta. “Lamentavelmente, eu tive uma infância muito difícil e isso é algo que precisei enfrentar, sempre passando por dificuldades, lutando. Creio que o correto é ajudar agora que posso”.

Na Suécia, Marta defendeu o Umea, mas agora está no FC Gold Pride, dos Estados Unidos. Em sua nova tarefa, a brasileira se concentrará nos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio. Se trata de um conjunto de oito metas que foram acordados em nível global com o objetivo de reduzir a pobreza à metade até 2015.

Marta, de 24 anos, se soma a um grupo de embaixadores da boa vontade da PNUD, entre os quais se encontraram figuras do futebol, como Ronaldo, Zinedine Zidane e Didier Drogba. Também são embaixadores outros astros como a tenista russa Maria Sharapova e o ator espanhol Antonio Bandeiras. “Quero sentir que estou fazer algo para acabar com a pobreza e ajudar às mulheres”, disse Marta.