Jádson e Dagoberto que marcaram
cinco gols no Timão, podem ter a companhia
de Washington contra o Cruzeiro.

A vitória do Atlético sobre o Corinthians foi prevista, a goleada não. Contra o Cruzeiro, a meta é manter o mesmo ritmo, conseguir mais uma vitória e colar já nos primeiros colocados do Campeonato Brasileiro. Para tanto, o técnico Levir Culpi ainda estuda as melhores possibilidades e deve segurar a escalação oficial até momentos antes da partida, programada para às 18 horas de amanhã, na Arena. O volante Alan Bahia e o zagueiro Rogério Correia podem ser as novidades.

“Contra o Corinthians, não só eu, mas toda a equipe, fez um grande jogo. Todos marcaram direitinho, sabíamos que se déssemos o espaço para eles jogarem complicaria. Tomara que todos façam o mesmo jogo contra o Cruzeiro”, aponta o atacante Dagoberto. Para ele, as dificuldades diante da Raposa deverão ser maiores, por se tratar do atual campeão brasileiro, e pelo futebol atleticano estar mais visado a partir de agora. “É mais uma grande equipe, sabemos das dificuldades, mas jogando em casa, temos que nos impor acima de tudo. Respeitamos eles, mas temos que mostrar o nosso futebol, que está crescendo”, diz.

Para manter essa motivação diante da Raposa, falta apenas ao treinador definir a equipe que entrará em campo. Como os mineiros deverão vir com três atacantes, a tendência é de que Levir aposte no 3-5-2 ou até no 3-4-3. Foram estas as duas alternativas testadas nos trabalhos de ontem. Na primeira parte dos trabalhos, a formação atuou com Diego; Marinho, Fabiano e Rogério Correia; Raulen, Alan Bahia, William, Jádson e Marcão; Ilan e Dagoberto. Na segunda parte, Washington entrou no lugar de William.

A primeira possibilidade é a mais provável, mas para piorar a escolha do comandante rubro-negro, Rogério Correia torceu o tornozelo e é dúvida. Logo que o zagueiro saiu do gramado, Levir tratou de testar Ígor no lugar de Ilan e voltou o time para o 3-5-2. “O adversário é de altíssimo nível e merece todo o cuidado na parte tática”, destaca o técnico, que não descarta a possibilidade de usar três zagueiros ou três atacantes.

Jogo-treino

Na terça-feira, o Atlético irá enfrentar o Necaxa, do México, num amistoso no mini-estádio do CT do Caju. A partida, programada para as 15 horas, será aberta ao público. O técnico Levir Culpi ainda não definiu se irá utilizar a equipe titular ou um misto entre titulares, reservas e jogadores pouco aproveitados no Brasileirão.

Cruzeiro chega sem vários titulares

O Cruzeiro chega hoje em Curitiba cheio de desfalques para enfrentar o Atlético amanhã, mas vem ousado. O técnico Émerson Leão não poderá contar com o goleiro Gomes, o volante Wendel e o atacante Guilherme, todos machucados, e o zagueiro Cris e o meia Alex, servindo à seleção brasileira. Mesmo assim, Leão aposta na ofensividade e em três atacantes. A principal novidade será a estréia do chileno Tapia. “O professor mudou bastante, mas todo mundo vai dar o máximo. Todos querem jogar. O Bruno está com uma vontade imensa, o Tapia também. Isso não é problema. Vamos entrar em campo com um só pensamento e muito unidos”, apontou o lateral-esquerdo Leandro, prestes a se transferir para o futebol francês. O provável time da Raposa para pegar o Furacão deverá ter Artur; Maicon, Marcelo Batatais, Edu Dracena e Leandro; Bruno Quadros, Jardel e Martinez; Jussiê, Tapia e Dudu.

Entrevista com Marinho

Ex-jogador em atividade? Acabado para o futebol? O zagueiro Marinho, do Atlético, (foto) saiu da Ponte Preta sem receber o que tinha direito e ainda tendo que ouvir essas e muitas outras opiniões sombrias sobre seu futuro. Ficou calado, cuidou de tratar da família e projetou para este ano a sua volta por cima no Rubro-Negro. Por enquanto, ele está mostrando a técnica apurada em grandes atuações, mas, em entrevista ao Paraná-online, ele diz que ainda tem muito o que melhorar vestindo a camisa do Furacão.

Paraná-online Tribuna – Você conseguiu dar a volta por cima após vir para o Atlético?
Marinho – Disseram muitas coisas depois que eu saí da Ponte Preta. Não preciso citar nomes, não preciso citar de onde vieram coisas como “Marinho não quer mais jogar futebol”, “Marinho largou…” Não é bem assim. Eu tive propostas depois da Ponte, mas foram propostas que não me interessaram e eu preferi ficar em casa com a minha esposa, que estava grávida. Dar uma assistência maior a ela e acabei ficando oito meses parado. Tive a oportunidade de vir para o Atlético e vim para cá para provar que não era bem o que pensavam.

Paraná-online Tribuna – Você está na melhor forma ou ainda tem o que melhorar?
Marinho – Acho que o time todo ainda tem para crescer. O Levir ainda está chegando, praticamente, com poucas partidas e implantando a sua filosofia. Ele mesmo é o primeiro a falar que a equipe ainda tem a melhorar em muitas coisas, então, não só eu, mas todos os jogadores ainda têm muito a crescer durante o campeonato.

Paraná-online Tribuna – O que o clube precisa fazer para conseguir mais uma vitória?
Marinho – Jogar como vem jogando, independente de como o Levir escale a equipe e com quem ele saia jogando. A marcação e a velocidade estão sendo as maiores virtudes do Atlético e, por isso, não podemos perder isso para esse jogo.

Paraná-online Tribuna – Os desfalques do Cruzeiro podem facilitar as coisas para o Rubro-Negro.
Marinho – Uma equipe de futebol é feita de um grupo, não só de 11 jogadores. Se tem cinco entrando no lugar de cinco, que estão saindo, é porque esses cinco também têm qualidade. O Leão é um treinador experiente e sabe armar sua equipe independente de ter os jogadores que ela acha os considerados titulares ou não e consegue montar uma equipe forte. O nosso time tem que estar pensando nas virtudes que a nossa equipe tem e no que pode tirar de proveito.

Arena agora vai ser digitalizada

O Atlético dá mais um passo rumo ao futuro e apresenta amanhã a digitalização da Arena. É o serviço SmarTSport, uma parceria entre o clube e a Embratel, que vai permitir a transmissão dos jogos do Rubro-Negro sem a necessidade de equipamentos externos e com qualidade digital, além da integração do Estádio Joaquim Américo com o CT do Caju e da possibilidade de usos futuros como projeção dos jogos em telões na própria Baixada.

O campo do Furacão é o primeiro do Estado e um dos primeiros do País a ter essa tecnologia. No primeiro momento, vai reduzir os custos das emissoras de televisão, que não mais precisarão utilizar antenas e caminhões para as transmissões esportivas. Outros produtos recorrentes do uso do sistema é a possibilidade de transmissões externas serem feitas para a Arena e reproduzidas com qualidade digital em telões instalados no estádio. Um exemplo disso são jogos do Atlético fora de casa.

A partida contra o Cruzeiro, às 18 horas de amanhã, já será realizada com o novo sistema. A partida irá ao ar pelo canal SporTV e Premiere (ambos Net e Sky) utilizando formato digital M-PEG 2/DVB. A Embratel instalou na Arena uma completa infra-estrutura para transmissão de TV digital de alta qualidade, ligando o estádio atleticano, diretamente e em tempo integral, à Plataforma de TV Digital da Embratel.

Para o presidente João Augusto Fleury da Rocha, o novo equipamento é uma mostra da postura moderna que o clube adquiriu nos últimos anos. “Para sermos parte efetiva do primeiro mundo, temos que utilizar tecnologia de primeiro mundo”, apontou. Segundo ele, é mais uma forma de otimizar o uso da estrutura da Arena, atualmente somente abrigando aos jogos do próprio clube.O Atlético dá mais um passo rumo ao futuro e apresenta amanhã a digitalização da Arena. É o serviço SmarTSport, uma parceria entre o clube e a Embratel, que vai permitir a transmissão dos jogos do Rubro-Negro sem a necessidade de equipamentos externos com qualidade digital, além da integração do Estádio Joaquim Américo com o CT do Caju e da possibilidade de usos futuros, como projeção dos jogos em telões na própria Baixada.

O campo do Furacão é o primeiro do Estado e um dos primeiros do País a ter essa tecnologia. No primeiro momento, vai reduzir os custos das emissoras de televisão, que não mais precisarão utilizar antenas e caminhões para as transmissões esportivas. Outros produtos recorrentes do uso do sistema é a possibilidade de transmissões externas serem feitas para a Arena e reproduzidas com qualidade digital em telões instalados no estádio. Um exemplo disso são jogos do Atlético fora de casa.