Pouco mais de uma semana atrás, Martin Alund já havia passado por uma situação inédita em sua carreira. O argentino de 27 anos entrou pela primeira vez na chave principal de um torneio da ATP, embora tenha perdido na primeira rodada de Viña del Mar – aquele em que seu compatriota, Horacio Zeballos, derrotou Rafael Nadal na decisão.

Se Zeballos viveu uma semana de sonho no Chile, agora é a vez de Alund no Brasil Open. Por causa da desistência do compatriota Leonardo Mayer por problemas físicos, o argentino entrou na primeira rodada como “lucky loser” – o tenista melhor ranqueado dentre os eliminados na última rodada do qualifying. E, surpreendentemente, conseguiu chegar às quartas de final. Nesta sexta, não antes das 14h30, enfrenta o italiano Filippo Volandri, que eliminou Thomaz Bellucci e foi vice-campeão do torneio em 2012.

“Tem sido um torneio muito lindo para mim. Estou feliz por ter vencido duas partidas, mas estou pensando dia a dia, jogo a jogo”, disse Alund, que atingiu no início da semana passada a sua melhor posição no ranking, a 111ª colocação.

Na primeira rodada, Alund venceu Ricardo Mello por duplo 6/4, no jogo que marcou a aposentadoria do brasileiro das quadras. O duelo ocorreu poucas horas depois de o argentino ter perdido na última partida do qualifying para o chileno Jorge Aguilar.

“Tinha sido um jogo de quase três horas e logo depois entrei em quadra novamente. Mas ter entrado em um torneio ATP, com a importância desse, achei energias extras para superar o cansaço. E foi a primeira vitória num ATP da minha vida”, lembrou.

Nas oitavas de final, Alund foi protagonista da maior zebra do torneio, ao derrotar o francês Jeremy Chardy, número 25 do mundo, por 6/4, 4/6 e 7/6 (7/5). “Me senti muito bem em quadra.”

Nesta tarde, no Ginásio do Ibirapuera, está em jogo não só a passagem para as semifinais, mas também um possível confronto com Rafael Nadal. Alund admite que terá um rival complicado, mas, ao contrário da maioria, até elogiou a quadra de saibro do torneio brasileiro. “As condições não são fáceis, com a quadra muito rápida. Mas isso me favoreceu. Mas o Filippo tem um bom nível e fez uma grande partida contra Bellucci. Espero continuar fazendo o melhor possível.”