Dortmund – Enquanto os astros do ataque tentam, enfim, jogar bem e ganhar a confiança da torcida, os zagueiros, humildes e nada badalados, lutam para manter o excelente aproveitamento.

A seleção brasileira é uma das poucas que ainda não sofreram gol nesta Copa do Mundo. E graças ao excelente desempenho de Dida e da dupla de zaga, formada por Lúcio e Juan. Lúcio, conceituado na Alemanha, onde defende o Bayern de Munique,  começou de forma surpreendente a competição. Além das boas atuações contra Croácia e Austrália, não cometeu nenhuma falta, algo raríssimo para um jogador de defesa. Em 1998, o paraguaio Gamarra ficou famoso internacionalmente por não ter cometido nenhuma infração nos quatro jogos que sua equipe disputou na França. ?Mas acho muito difícil que termine a Copa sem cometer nenhuma falta?, disse Lúcio, surpreso ao ter sido informado pelos repórteres de que não havia feito falta na competição. ?Às vezes, sem querer e sem perceber, nós acabamos cometendo falta. Às vezes, é necessário. Se for preciso, farei a falta?, completou.

Ponto alto

A zaga sempre foi considerada o ponto fraco da seleção brasileira, o oposto do ataque. Mas, neste início de mundial na Alemanha, está ocorrendo justamente o contrário. Dida, Lúcio e Juan têm sido muito bem avaliados e não correm nenhum risco de ir para o banco. Seus reservas, Luisão e Cris, só terão oportunidade se os dois forem suspensos ou se machucarem.